É usuário do WhatsApp? Actualize agora o app e proteja-se desta nova vulnerabilidade

1149

O jornal The Financial Times informou ter detectado uma vulnerabilidade no WhatsApp, pela qual hackers podiam instalar spywares nos smartphones dos indivíduos. A NSO, uma empresa israelita do ramo do serviços de informação, é suspeita de ter criado o vírus.

Para poder aceder a dados como a lista de contactos, mensagens e e-mails, localização de GPS, histórico ou até ligar o microfone e as câmaras de vídeo, bastaria fazer uma chamada para o alvo. O telemóvel ficaria afectado por esse vírus quer a chamada fosse atendida ou não.

O WhatsApp já informou que o ataque possui todas as características de uma empresa já bem conhecida por trabalhar com governos, de forma que opera a distribuir spywares que podem assumir as funções dos sistemas operacionais dos smartphones.

O Whatsapp aconselha as pessoas a actualizarem a sua aplicação para a versão mais recente, tal como a atualizarem o sistema operativo dos seus telemóveis, de forma a ficarem protegidos a potenciais tentativas especialmente dirigidas para comprometer informações alojadas nos seus dispositivos móveis”, disse o WhatsApp num comunicado, citado pelo The New York Times.

O NSO Group é uma empresa israelita, associada, no passado, a tráfico de “armas cibernéticas”. O negócio é parcialmente gerido por uma empresa de capital privado, sediada em Londres, a Novalpina Capital. O principal software da NSO, o Pegasus, tem a capacidade de copiar dados pessoais de um dispositivo, com recurso ao microfone e à câmara, bem como às informações de localização.