Jovem guineense cria “serviço de Uber” em Bissau

1200

Um jovem inovador guinense criou o único “serviço de Uber” em Bissau, transportando crianças para a escola, funcionários para o trabalho e pessoas que vão à noite às discotecas.

Popularmente conhecido por Chita Indjai, o guineense, de 35 anos, transporta as pessoas através de um pequeno automóvel de cor verde, num processo que passa, primeiro, por um contacto telefónico e a seguir, por um encontro para acertar os preços e o percurso.

As pessoas chegam até Chita Indjai através de informações de outros clientes, mas também através das redes sociais.

Quando não tem corridas a fazer, Chita trabalha num hotel no centro de Bissau onde também acaba por conhecer pessoas que transporta para o aeroporto, nomeadamente em voos de madrugada.

De madrugada, Chita também se levanta da cama para ir apanhar pessoas à porta das discotecas ou levá-las àqueles lugares de diversão, bastando que haja um compromisso de que cada pessoa que vai no seu pequeno carro pague o equivalente a 10 euros.

Só numa corrida da discoteca para a casa das pessoas Chita ganha 40 euros.

O dono do único “serviço de Uber” de Bissau também transporta crianças de casa para a escola e funcionários para os locais de trabalho.

Com o transporte de crianças, Chita prefere olhar mais para a relação com os pais na hora de fixar o valor a cobrar pelo serviço, sendo pago no final do mês.

MAIS: Aplicativo de transporte voltado a mulheres é lançado em Luanda

A pontualidade e a segurança das crianças são fatores que Chita considera como fundamentais no momento de acertar o contrato.

Tudo começou durante o confinamento devido à pandemia da covid-19 em que os transportes públicos deixaram de circular por Bissau, por ordens do Governo.

Chita, cujo veículo tinha uma guia de livre-trânsito, dava boleia “às mulheres” que ia encontrando na estrada na tentativa de chegarem a outras zonas da cidade de Bissau.

Uma amiga e uma parente que vivem na Europa vieram a Bissau passar férias naquela época da pandemia e o carro de Chita Indjai era o meio das suas deslocações. Chita andava com as duas, de graça.

“Depois comecei a pensar por que não cobrar pelo serviço que faço. Um serviço de Uber de verdade”, disse Chita Indjai à Lusa, no meio de uma corrida em que foi buscar duas crianças às escolas de Bissau.

Hoje, o dono do único “serviço de Uber” de Bissau disse à Lusa que o trabalho, que começou na brincadeira e sem cobrar, é rentável e que pretende continuar.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui