Marketing de Conteúdos: O Futuro da Identidade Digital

0
987

Nos últimos tempos o Marketing de Conteúdos tem tido uma importância grande, como factor de diferenciação e meio de comunicação, em um tempo actual que o consumidor decide onde quer gastar o seu dinheiro, depois de passar várias horas navegando na internet.

Por isso, não importa o tipo de negócio ou área de actuação, é fundamental definir uma estratégia de comunicação ancorada, onde os seus conteúdos  permitam ao cliente perceber a cada momento como uma empresa resolve determinadas situações, e o mais importante, antecipa outras.

Na maioria das vezes, os primeiros tempos de gestão de um negócio é completamente desafiante, onde é notório deixar para o segundo plano a aferição de como um determinado produto será comunicado aos clientes, quando as pesquisas mostram que é estritamente primordial que a identidade digital do negócio seja criado ao mesmo tempo que o produto, e que este seja posto à prova na capacidade que tem de facilmente ser explicado, usado e aplicado no dia a dia.

Para Joana Alarcão, Content Marketing Strategist, falando para a revista On Startups, diz que “caso a estratégia de comunicação não seja trabalhada em conjunto com as equipas de produto, desenvolvimento, design, caminhamos muitas vezes para situações em que temos em mãos um excelente negócio, mas que ninguém conhece ou entende para que serve e como utilizar“, por isso é preciso comunicar de forma consistente e informativa sem massacrar o consumidor com uma mensagem repetitiva, num discurso em que autopromovemos o produto excessivamente.

É aí que entra o Marketing de Conteúdos, cujo o seu trabalho é mais do que criar conteúdos onde enfatiza que é o melhor do mercado, mas também passar informação que o cliente possa usar, aprender com ela, inspirar-se e ter novas ideias.

MAIS: Internet em Angola “Marketing Digital: Profissão do Futuro?”

Um exemplo básico dessa situação é um produto alimentar, onde mais do que enfatizar as suas características deve-se partilhar receitas de como o produto pode ser utilizado.

Do mesmo modo, se for um aplicativo, a sua comunicação deve-se concentrar na explicação do tipo de problema que resolve, e se é possível enquadrá-la com o momento actual que os clientes estão a viver.

Digamos se for um aplicativo que permite monitorizar o nosso bem-estar e estamos em tempo de frio, então, podemos associar a nossa comunicação à época das alergias, visto que é uma altura em que é fundamental mantermo-nos saudáveis, conhecendo o nosso biorritmo e assim evitarmos adoecer.

Assim, podemos notar que a comunicação do aplicativo surge assim contextualizada em uma situação com a qual os clientes possam se identificar, e dessa forma, encontrar um propósito para utilizar o aplicativo.

Por isso, a estratégia de comunicar-se com conteúdos, nomedamente o Marketing de Conteúdos, veio para ficar e é determinante para que as empresas actuais se consigam renovar e manter a atenção dos clientes nos seus produtos.

Então, voltamos a frisar que o Marketing de Conteúdos é uma área de actuação imprescindível, nos dias actuais, visto que sem ela é muito difícil uma instituição conseguir sobreviver no mercado, seja angolano ou internacional, a médio ou longo prazo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here