UE acusa a Huawei e ZTE de representarem um risco de segurança

1059

A Comissão Europeia estimou que a Huawei e a ZTE representam um risco de segurança para a União Europeia ao nível do 5G e anunciou que deixaria de subscrever serviços telefónicos baseados nos equipamentos destas empresas.

O comissário do Mercado Interno, Thierry Breton, pediu aos 27 países membros e às operadoras de telecomunicações que excluam esses equipamentos das suas redes móveis. “Não podemos dar-nos ao luxo de manter dependências que podem tornar-se armas contra os nossos interesses. Seria um risco muito grande para a nossa segurança comum”, disse ele em entrevista.

O executivo europeu considerou numa afirmação que a Huawei e a ZTE “representavam riscos significativamente maiores do que outros fornecedores de 5G”. A Comissão acrescentou que iria “tomar as medidas de segurança necessárias para não adquirir novos serviços de conectividade baseados nos equipamentos destes fornecedores”.

A Europa está sob pressão dos Estados Unidos para excluir esses dois grupos chineses acusados ​​de permitir atividades de espionagem em nome da China. Os Estados Unidos já proibiram a venda de equipamentos de cinco fornecedores chineses, entre eles Huawei e ZTE. Proibições para o fornecimento de equipamentos 5G também já foram tomadas no Reino Unido e no Canadá, mas os países europeus estão divididos sobre qual abordagem adotar.

Numa “caixa de ferramentas” adotada em janeiro de 2020, os Estados-Membros e a Comissão fizeram recomendações destinadas a proteger as redes 5G na União Europeia dos riscos de espionagem ou sabotagem. Mas essas medidas não têm força legal obrigatória e os fornecedores de alto risco não são nomeados. Estes últimos são definidos como fabricantes de equipamentos suscetíveis de serem objeto de interferência de um país terceiro, por exemplo, devido à existência de uma ligação estreita com o governo deste país ou a legislação do país, em particular onde não foi celebrado qualquer acordo de proteção de dados concluído com a UE.

Huawei e ZTE com a vida complicada na Europa

Três anos depois, 24 dos 27 Estados-Membros da UE transpuseram as recomendações do toolkit para a sua legislação nacional. “Mas até o momento, apenas 10 deles usaram essas prerrogativas para restringir ou excluir fornecedores de alto risco. É muito lento e representa um grande risco de segurança e expõe a segurança coletiva da União”, disse Thierry Breton.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui