África deve actualizar os sistemas de forma urgente para combater novas ameaças cibernéticas

0
2479

 África precisa melhorar drasticamente os seus sistemas de segurança cibernética e de detecção de crimes cibernéticos para combater ameaças cibernéticas emergentes, diz Steve McWhirter, vice-presidente da Check Point Software Technologies para África e Médio Oriente.

De acordo com o último índice de ameaça mundial da Check Point Software Technologies divulgado em outubro, o Botswana (4º no mundo) é o país mais ameaçado do continente, seguido por Marrocos (7º), Camarões (8º), Egipto (12º), Nigéria (13º), Malawi ( 17º), Uganda (18º), depois Zâmbia (20º), Angola ainda não consta na lista dos países mais ameaçados.

McWhirter que falava durante a conferência ITWeb Africa, que foi realizada no passado dia 15 de novembro, na África do Sul, avançou que o continente possui muito material antigo e precisa actualizar. “Se isso acontecesse, elevaria o perfil de protecção muito mais alto e não há dúvida de que as pessoas olham ao redor e escolhem o menor denominador comum, sua melhor defesa é garantir que eles não sejam atrás de você“.

Falando para a ITWeb Africa durante a conferência Check Point Experience 2017 realizada ontem em SA, o McWhirter disse que o continente possui muito material antigo e precisa atualizar. “Se isso acontecesse ( ataque cibernética), elevaria o perfil de proteção muito mais alto e não há dúvida de que as pessoas olham ao redor e escolhem o menor denominador comum, sua melhor defesa é garantir que eles não sejam atrás de você”.

McWhirter disse ainda que, “Se você olha para a paisagem da ameaça, você tem ameaças que você conhece sobre quais são muito fáceis de se defender, mas as ameaças para se preocuparem são as que nunca ouviram, e é aí que o continente ainda não gerenciou sua transição”.

O relatório da Symantec em África , relatório 2016 , afirma: “com uma população jovem que está a adoptar rapidamente as novas tecnologias, a África está à beira de um boom da internet. Para manter o ritmo, a África precisa abordar urgentemente os esforços para combater o cibercrime e melhorar a sua postura de segurança cibernética”.

Mas apesar do continente africano possuir uma maior ameaça em relação aos outros, McWhirter disse que a àfrica não regista tantos crimes cibernético. E isso é porque o continente está um pouco afastado da paisagem internacional.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here