O Gana abre um centro de operações de cibersegurança para os bancos

O Banco do Gana criou um Centro de Operações de Segurança do Comando da Indústria Financeira (FICSOC) para prevenir e responder a ameaças cibernéticas dirigidas ao sector dos serviços financeiros.

1485

O projeto foi realizado pela Virtual InfoSec Africa, uma empresa ganesa de segurança da informação, em colaboração com o Banco Central.

O Banco do Gana iniciou o Projeto FICSOC em 2019 com o objetivo de “partilhar informações sobre ameaças, sensibilização para a situação do sector e resposta a incidentes entre as suas instituições financeiras regulamentadas”.

Desde abril, todos os bancos comerciais foram conectados ao FICSOC e a comunicação de informações sobre ameaças cibernéticas, na forma de alertas e avisos do FICSOC, está sendo comunicada a esses bancos, diz o Banco Central.

No seu discurso de abertura, na semana passada, o Vice-Presidente Mahamudu Bawumia sublinhou a importância de uma infraestrutura de segurança cibernética robusta para manter a confiança no sector financeiro.

“A utilização das tecnologias digitais continua a transformar os modelos de negócio das instituições financeiras com novas oportunidades de gerar receitas e valor. Embora estas tecnologias digitais apoiem os serviços bancários e permitam estratégias bancárias, as vulnerabilidades de segurança subjacentes representam riscos cibernéticos fundamentais para estas instituições.”

“Os riscos de cibersegurança podem afetar as capacidades operacionais e ameaçar a viabilidade das instituições financeiras. Do mesmo modo, o contágio do risco cibernético num sistema financeiro é agravado pela extensão da interconexão, por conseguinte, qualquer ataque cibernético grave pode ameaçar a estabilidade do sistema financeiro”, observou.

Bawumia elogiou o Governador, o conselho de administração e a direção do Banco do Gana pelos seus esforços para proteger o sector financeiro.

“A entrada em funcionamento deste importante edifício e infraestrutura, que, segundo sei, é o primeiro do género financiado e detido por um banco central em África, é um feito notável do Banco do Gana. Não há dúvida de que, muito em breve, outros bancos centrais da sub-região visitarão o Banco do Gana para estudar a vossa abordagem à defesa da cibersegurança no sector financeiro”, afirmou.

“A minha expectativa, e a do governo, é que as instituições financeiras estejam mais bem equipadas para lidar com as ameaças cibernéticas graves e emergentes que visam o sector bancário, incluindo as ameaças de dia zero, as ameaças e explorações persistentes avançadas, e lhes permitirem tomar decisões informadas sobre a resposta a essas ameaças.

“Gostaria de sublinhar que a plataforma FICSOC não concorre nem substitui a gestão dos riscos de cibersegurança das instituições regulamentadas (incluindo as suas operações de SOC), mas complementa o quadro de gestão da cibersegurança e da segurança da informação de cada instituição financeira. Por conseguinte, a responsabilidade pela gestão dos riscos de cibersegurança e de segurança da informação cabe, em última análise, a cada instituição financeira regulamentada e não aos operadores da FICSOC ou ao Banco do Gana.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui