Parte 2: Tamanhos e resoluções de telas

1842

Hoje daremos continuidade a série de posts relacionados a tamanhos e resoluções de tela. Com eles pretendemos fornecer informações de formas a fazeres as melhores escolhas em termos de produto relacionado ao tema. Aqui aprendemos um pouco sobre o que é Resolução e como tais medições são feitas. Hoje falaremos sobre a Relação entre tamanho de tela e resolução, e Densidade de píxeis(PPI).

Relação entre tamanho de tela e resolução

Você já sabe que os píxeis são a menor informação que uma tela pode exibir. Talvez consiga distinguir agora se aproximar bem os olhos do monitor ou do dispositivo móvel com o que estiver lendo este artigo. Mas, por que não há uma medida fixa para definir os píxeis?

Porque o tamanho dos píxeis não é, necessariamente, igual em todos os dispositivos. Você pode ter duas telas de 20 polegadas, por exemplo, mas uma suporta resolução de até 1600 x 900 píxeis e a outra, mesmo tendo as mesmas dimensões físicas, trabalha com resolução máxima de 1366 x 768 píxeis. Se você tentar fazer exibir uma resolução maior que a suportada, o dispositivo não funcionará correctamente isto também porque cada píxel suporta uma cor ou seja, uma informação. Resultado, quanto mais píxeis existirem, mais detalhada e rica será a imagem, pois mais informações a tela poderá exibir.

A imagem abaixo é um exemplo que compara a mesma imagem em resoluções diferentes. A foto da direita (2), que possui 300 x 225 pixels, é exibida de maneira mais detalhada que a figura à esquerda (1), que conta com 160 x 120 pxels.

res_comparativo

Densidade de píxeis (PPI)

O tamanho já não importa muito visto que um simples smartphone pode ter a mesma resolução que uma tela de 20 polegadas , o que acontece é que, com a evolução da tecnologia, as telas actuais passaram a suportar resoluções cada vez maiores, mesmo tendo dimensões reduzidas. É como se o píxel tivesse ficado tão pequeno ao ponto de ser (quase) impossível distinguir só com os olhos.

Por exemplo o iPhone e outros produtos da Apple, esse feito deve-se a uma tecnologia que a empresa chamada comercialmente de Retina. Trata-se de uma técnica que permite a obtenção de píxeis tão pequenos (78 micrómetro no iPhone 4 e 86 no iPad 3, por exemplo) que o efeito obtido equivale à existência de quatro píxeis onde antes havia um só.

À esquerda, uma tela convencional; à direita, uma tela com Retina, isto é, alta densidade de pixels (Imagem original por Mashable)

Para tanto, convencionou-se considerar a densidade de píxeis. Isso é feito por meio da medida PPI, sigla para Pixel Per Inch ou, em bom português, Píxeis por Polegada. Quanto maior o PPI, melhor a qualidade da tela: se há mais pontos, mas as dimensões físicas não mudam, pode-se então incluir mais detalhes ali.

Tal aspecto até pode não fazer muita diferença em telas grandes, mas têm bastante relevância em portáteis, tablets e smartphones, uma vez que utilizamos esses dispositivos de maneira muita mais próxima aos olhos. O iPhone 6Plus por exemplo, tem um visor com 401 PPI, o Galaxy S6 possui um com 571 PPI e o lindo Lumia 930 possui um com 431 (mesmo sendo de há um ano atrás “ainda fica na frente do iPhone”!)

É importante não confundir PPI com DPI (Dots Per Inch ou Pontos Por Polegada). Essa última medida é semelhante, mas é comummente aplicada em actividades de impressão.

Fiquem atentos a terceira parte deste tema.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui