Subsídio de investigação e inovação vale 22% do salário base dos docentes universitários

2166

O subsídio para à cultura de investigação científica e inovação nas universidades angolanas agora é 22% do salário base, segundo a nova tabela de subsídios, publicada em Diário da República.

Esse valor como subsídio para os docentes universitários é um incentivo que não existia na Lei Angolana e que visa “estimular a investigação nas universidades” nacionais, e que vai ser atribuído a todos os professores do ensino superior em Angola.

Por exemplo, um professor catedrático terá um subsídio de 22% que corresponde a 103 mil kz, valor que somado ao seu salário base pode fazer com que o ordenado suba para os 574 mil Kz sem juntar os outros subsídios descriminados na tabela abaixo.

Já o docente associado, o subsídio à inovação pedagógica e à investigação científica corresponde a 94 mil Kz, para o auxiliar são 88 mil kz, assistentes 83 mil Kz e assistente estagiário 70 mil Kz, de acordo com os respectivos vencimentos base.

MAIS: Governo Angolano vai continuar a financiar a investigação científica, diz Ministra

O documento institucional ainda rege o subsídio regente para o professor regente de curso ou cadeira, a diuturnidade para docentes com mais de cinco anos de serviço, e o subsídio de risco relacionado com a higienização da instituição e atavio para todos os docentes.

De informar que esses subsídios foi um dos pontos do caderno reivindicativo do Sindicato dos Professores do Ensino Superior de Angola (SINPES), onde o mesmo é parte de um conjunto de incentivos para estimular a produção de investigação científica.

Este é só um dos elementos, porque há muito mais em termos de incentivo à investigação científica. Por exemplo, temos a Fundação para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FUNDECIT), que vai lançar os editais para financiar projectos de investigação e o projecto de desenvolvimento de ciência e tecnologia que tem outros incentivos“, disse Emanuel Catumbela, director nacional para Formação Pós-graduada do SINPES.

Segundo ainda o académico, estes esforços não vão resolver o problema sobre a cultura de investigação científica, e inovação mas vão minimizar as condições em que os docentes fazem as suas investigações científicas.

1 COMENTÁRIO

  1. É uma mais valia para o nosso ensino superior, tendo em conta da qualidade que se clama, por todas as franjas da nossa sociedade. Por isso, atens tarde do que numca. Porque não se faz ciência sema investigação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui