Tribunal de Contas partilha projecto digital na 15ª Assembleia Geral da AFROSAI para auditar finanças públicas

0
641

O Tribunal de Contas(TC) Angolano apresentou a 15ª Assembleia Geral da AFROSAI um projecto relativo à criação de uma grande base de dados a ser suportada por uma infra-estrutura tecnológica, a nível de hardware e software, com o objectivo de acabar com o difícil acesso e a fiabilidade das informações a serem obtidas no controlo do dinheiro público.

A apresentação ocorreu no último mês de Março, em Dakar (Senegal), onde a delegação angolana foi presídida pela juíza presidente do principal órgão Supremo de Fiscalização Externa das Finanças Públicas no país, Exalgina Gambôa.

No evento da Assembleia Geral da AFROSAI, organização africana que congrega órgãos superiores de controlo das finanças públicas, houve variados debates e partilha de experiências, onde constatou-se que os constrangimentos vividos por uns são os mesmos vividos por outros membros, desde a falta de competências em matérias de auditoria com base na análise de dados digitais à deficiente ou ausência de infra-estruturas tecnológicas.

MAIS: Nações Unidas propõe projecto para desenvolvimento tecnológico acelerado de Africa

Segundo a nota oficial da comitiva angolana, relativamente ao Big Data (Informações em grandes quantidades), que foi o tema principal do segundo dia do evento, a delegação angolana elaborou um projecto que não passou despercebida pelas instituições-membro, também conhecidas por SAI (Instituições Superiores de Controlo, na sigla inglesa), onde discutiram dois grandes temas, nomeadamente, a “Auditoria do Sector das Indústrias Extractivas em África” e a “Integração do Big Data na Auditoria do Sector Público”.

A delegação angolana informou que o Tribunal de Contas ainda se depara com muitas dificuldades para aceder às informações das entidades públicas, mas que “o Governo angolano está a implementar o Programa de Interoperactividade que está a ligar as bases de dados de todas as instituições públicas do país”, mas antes da revolução digital, a instituição angolana quer trilhar o caminho da inovação e da digitalização, estando a decorrer a reabilitação da futura sede do TC.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here