TT TALK. A startup que vem para alavancar o turismo e a diversidade cultural em Cabo Verde

1730

A diversidade de atrativos naturais, culturais, históricos e de lazer tem inspirado cada vez mais o turismo em Cabo Verde, onde nessa senda nasceu a startup Tourist Travel Talk (TT Talk), para potencializar e dar ferramentas aos operadores turísticos locais, que espelham a diversidade cultural, gastronómica, ambiental e patrimonial cabo-verdiana, além de alavancar o marketing digital do país.

Fundada pelo jovem Wilkar Graça, a TT TALK foi um dos projetos inovadores que representou Cabo Verde na última edição do Web Summit, e que tem ainda como plano de fundo o objetivo de criar experiências imersivas entre turistas e as comunidades locais.

 “Nós temos um problema relativamente ao marketing, exposição e promoção digital, daquilo que são as nossas ofertas. Porque o que acontece é que, em Cabo Verde, operadores internacionais acabaram por perceber uma potencialidade enorme à volta de sol e praia. Acabaram por instalar as suas bases nas ilhas do Sal e Boa-Vista. Cabo-Verde tem um turismo em massa, à volta de sol e praia, e também de pacotes que não permitem com que as riquezas geradas à volta do turismo cheguem às comunidades”, disse Wilkar Graça em entrevista a revista BantuMen.

A plataforma TT Talk é praticamente uma rede social que vai possibilitar o turista conectar-se com Cabo-Verde, interagir com os operadores turísticos, que terão a autorização para colocar os seus serviços disponíveis para uma melhor promoção dos mesmos e estar constantemente a comunicar em tempo real, de forma contínua e que permita também a socialização”, informou o Founder.

Nos últimos tempos, as plataformas de turismo em Cabo Verde têm promovido as suas ofertas de forma dispersa nas diferentes redes sociais, e onde a TT TALK concentra as ofertas dos operadores locais num único espaço online, que, além de dar “a possibilidade das comunidades locais se beneficiar económica e socialmente do potencial turístico que Cabo Verde, tem ainda o propósito de diminuir as desvantagens, comparativamente aos operadores internacionais, e consequentemente, diminuir assimetrias regionais. Porque as ilhas como o Sal e Boa-Vista, por exemplo, acabam por ficar saturadas. E isso não só traz riquezas, mas problemas a nível social”, sublinha.

MAIS: Djassi Africa e a ABAC unem-se para fortalecer o empreendedorismo em Cabo Verde

Sobre a presença da startup no Web Summit, Wilkar Graça ressalta que não se tratou apenas para conseguir investimentos, mas principalmente para encontrar pessoas, entidades e organizações que queiram fazer parcerias, a nível nacional como internacional, que possam vir a potencializar a implementação da TT Talk no seu país.

As startups são feitas de pessoas que têm também que aprimorar a visão, desde conversar com pessoas como vocês, jornalistas. Adquirir experiências, conhecer a realidade a nível internacional e perceber os aspetos que devo utilizar para melhorar a minha atuação e da startup. Fora que temos também a possibilidade de participar de outros eventos [à volta da Web Summit] e fazer networking, que hoje em dia é muito importante”, reiterou.

Em 2019, na fase em que surgiu-me a ideia, estive a conversar com o meu professor de informática, por ser uma solução ligada à área de tecnologia, a ver como é que poderia ajudar. Alguns meses depois, enviou-me este concurso, no qual participei e, desde então, tenho vindo a desenvolver a startup. Hoje, estamos numa fase de marketing, daí ter falado na questão de parcerias. Já temos a plataforma pronta, temos networking com os potenciais parceiros, a nível de operadores turísticos locais e também criamos experiências para viajantes“, afirmou Wilker que nunca teve uma componente informática no secundário.

Foi na universidade, ao ingressar no curso de Gestão, que teve o primeiro contato com este universo. Depois de um ano como estudante, surgiu a oportunidade de participar num concurso, organizado pelo governo de Cabo Verde, através da Cabo Verde Digital.

É preciso termos as ferramentas necessárias, as condições necessárias, as pessoas certas, no tempo certo, que nós conseguiremos fazer o resto. Mas obviamente, é preciso desenvolver muitas coisas em Cabo Verde, mas acho que estamos num bom caminho. Apostar na educação, na oportunidade e tentar potencializar a comunicação interna. Este concurso, por exemplo, não chegou a toda a gente. Nunca chega. Temos de potencializar, de forma a que a informação chegue a todo lado e às pessoas certas. Ou seja, a jovens como eu que, por exemplo, a partir de um professor, conseguiu obter a informação”, finalizou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui