3ª Edição do Seedstars Africa juntou em Maputo as melhores startups africanas

3990

Seedstars AfricaQuénia, Gana, Mali, Nigéria, Ruanda, Senegal, Tanzânia, Uganda, Zimbabwe, Camarões, Costa do Marfim, Etiópia, República Democrática do Congo, Botswana, Angola e Moçambique. 16 países juntaram-se em Maputo no passado dia 14 de Dezembro, no Hotel Glória, na 3ª edição do Seedstars Africa Summit para apresentar as suas startups, discutir o ecossistema tecnológico, metodologias de crescimento e várias abordagens sociais que ganham novas perspectivas.

O grande objectivo do Seedstars é impulsionar o crescimento de negócios e soluções ao reunir no mesmo espaço, empreendedores e empresários de áreas tecnológicas em mercados emergentes e em contextos de aceleramento de negócio. A iniciativa teve como anfitriã local, a empresa moçambicana UX, e além de ter contado com a apresentação de cada startup, teve várias apresentações cujas temáticas passaram por: construção de ecossistemas tecnológicos, a transformação de um mercado informal para o formal ou o crescimento de um sistema sem tecnologia para um high-tech.

Passaram pelo evento cerca de 800 pessoas desde jovens estudantes, empreendedores, investidores internacionais e parceiros estratégicos locais. O Seedstars Africa Summit superou o âmbito tecnológico, não só pela sua abordagem internacional e pelas referências que levou a Maputo, mas principalmente pela qualidade que exigiu a cada participante.

As soluções apresentadas passaram por responder a problemas como a educação no Quénia, saúde na Nigéria, entregas em Angola, arrendamento no Congo, a unir agricultores no Gana, ou a responder a problemas de transporte no Zimbábwe.

Os conteúdos foram pensados ao pormenor e a partilha de conhecimento não se ficou pela experiência de cada empreendedor tendo-se expandido para workshops sobre empoderamento feminino, oportunidades de desenvolvimento tecnológico em África ou gestão de recursos que proporcionaram uma maior interacção por parte de todo o público.

Como foi a participação de Angola?

Seedstars Africa

Angola esteve representada pela Tupuca, que venceu a edição local. O Co-Fundador da startup, Erickson Mvesi, teve a chance de partilhar junto de potenciais investidores, o futuro da Tupuca.

Para além da Tupuca, foi convidado também Hélder Kiala (pela 7 Mobile) e Joel Epalanga (pela KiandaHub) ambos indicados para serem mentores das startups que venceram as suas edições locais.

Estiveram presentes também membros da imprensa, como Carolina Barros (pela On Time), assim como outros membros do ecossistema de empreendedorismo em Angola, com destaque  José Carlos Santos ( Pela Acelera Angola), Rui Tati (pela Pelcor) , Aristóteles Tchicomo, Adjany Costa, e claro, um membro da equipe do MenosFios.

A primeira Cimeira Africana do Seedstars aconteceu em 2015 em Marrocos e passou no ano seguinte para o Ruanda.

Será que Angola tem potencial para ser o país escolhido para a próxima edição do Seedstars Africa?