Dados de 50 milhões de usuários do Facebook foram usados na campanha de Trump

2831

Segundo informações, uma empresa de análise de dados Cambridge Analytica colheu informações privadas de mais de 50 milhões de usuários do Facebook no desenvolvimento de técnicas para beneficiar a campanha eleitoral do presidente Donald Trump em 2016.

No centro da questão está Christopher Wylie, marqueteiro americano que criou o que chamou de uma verdadeira ferramenta de “guerra psicológica”, voltada para o uso de dados e da força das redes sociais para manipular a opinião pública. Os seus dois maiores cases de sucesso foram a eleição de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos e a campanha para que o Reino Unido deixasse a União Europeia, decidida por referendo realizado no mesmo ano.

Os jornais, que citaram ex-funcionários, associados e documentos da Cambridge Analytica, disseram que a violação de dados foi uma das maiores da história do Facebook.

Entre tanto, o Facebook anunciou a suspensão da Cambridge Analytica da plataforma por causa do uso indevido de dados privados dos usuários da rede social. Durante anos, a empresa guardou informações sigilosas sobre os usuários e adquiriu elas sem consentimento dos usuários.

Os mais de 50 milhões de perfis representavam cerca de um terço dos usuários activos da América do Norte e cerca de um quarto dos eleitores em potencial dos EUA na época. O Facebook teria descoberto a questão em 2015 e pediu que as empresas eliminassem os dados, sem verificar se isso realmente aconteceu quando a resposta foi positiva. Apenas agora, por meio dos relactos publicados na imprensa internacional, soube que os dados de seus usuários continuavam a ser usados de forma irregular.

A Cambridge Analytica diz que os dados em questão foram excluídos quando o Facebook pediu, mas de acordo com os jornais americanos isso não aconteceu. A empresa diz que está a trabalhar com o Facebook para solucionar o problema.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui