Aumenta a lacuna de acessibilidade de Internet em África

0
1223

As pessoas em países africanos de renda baixa e média-baixa devem trabalhar quatro vezes mais para ter internet de banda larga e quase cinco vezes mais para uma conexão móvel que é comparativamente mais lenta do que a recebida por usuários em países de alta renda.

Isso está de acordo com o relatório do Índice de Qualidade de Vida Digital (DQL) divulgado pela firma de segurança cibernética Surfshark, que compara países com base em cinco pilares que, juntos, definem a qualidade de vida digital. Esses pilares são acessibilidade da internet, qualidade da internet, infraestrutura electrônica, segurança electrônica e governo electrônico.

A pesquisa descobriu que em alguns países como a Costa do Marfim, Mali e Nigéria as pessoas têm que desembolsar o equivalente a uma semana de trabalho para ter acesso à internet.

Além disso, em média, as pessoas em países de baixa e baixa renda precisam trabalhar mais de 20 minutos e 19 segundos por mês para pagar o 1 GB de Internet móvel mais barato.

MAIS: IBM lança programa de alfabetização digital na África do Sul

A título de comparação, o relatório disse que as pessoas em países de alta renda precisam gastar apenas 4 minutos e 7 segundos, 4,9 vezes menos do que as pessoas em países de baixa e média baixa renda (21,33 Mbps). Os países de alta renda também têm acesso a conexões de internet móvel quase três vezes mais rápidas (61,41 Mbps).

De acordo com o relatório, a situação piora quando se trata de acesso à internet banda larga, já que as pessoas em países de renda baixa e média-baixa trabalham o equivalente a aproximadamente 11 horas e 10 minutos por mês pelo pacote de banda larga mais barato, 4,2 vezes mais do que pessoas com alta renda (2 horas 41 minutos).

O estudo também mostrou que a velocidade média de conexão à Internet de banda larga em países de alta renda é quatro vezes maior (113,19 Mbps) do que em países de baixa e média baixa renda (28,53 Mbps)

Vytautas Kaziukonis, CEO da Surfshark, disse: “As oportunidades digitais provaram ser mais importantes do que nunca durante a pandemia COVID-19, enfatizando a importância de cada país garantir recursos operacionais totalmente remotos para suas economias. No entanto, a acessibilidade à Internet varia muito em qualidade e acessibilidade dependendo de onde vivemos, revelando profundas desigualdades entre países de baixa e alta renda.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here