Brasil abre investigação a Elon Musk por ataques à Justiça

853
O Supremo Tribunal Federal do Brasil ordenou no domingo a abertura de investigações contra o empresário norte-americano Elon Musk, por ataques à Justiça do país sul-americano.
A ameaça do bilionário de não obedecer às ordens de bloqueio de contas na rede social X (antigo Twitter), da qual é proprietário, é outra das razões deste inquérito, de acordo com uma decisão publicada no ‘site’ do tribunal.

As investigações pelos alegados crimes de “manipulação criminosa e dolosa” da X e obstrução à Justiça foram ordenadas pelo magistrado Alexandre de Moraes, membro do Supremo Tribunal Federal e responsável por um processo sobre o uso das redes sociais para a disseminação de notícias falsas e ataques à democracia.

A decisão foi publicada pelo Supremo Tribunal Federal após o magnata, numa mensagem na X, ter acusado Moraes de impor censura no Brasil com decisões de bloqueio de diferentes perfis na rede social sem aparente motivo.

Musk já tinha avisado, no sábado, que ia desobedecer às decisões do magistrado mesmo que isso implicasse ser multado e o obrigasse a fechar a empresa no Brasil, porque, na sua opinião, a defesa da liberdade de expressão é mais importante do que os lucros.

“A X vai publicar em breve todas as exigências feitas pelo magistrado e como esses pedidos violam a lei brasileira. Este juiz tem traído descarada e repetidamente a Constituição e o povo brasileiro. Deve renunciar ou ser impugnado”, afirmou o bilionário.

Na decisão, Moraes advertiu a rede social X para que se abstenha de desobedecer a qualquer ordem judicial proferida ou reative perfis com ordem de bloqueio ordenada pelo Supremo Tribunal Federal, ou pelo Tribunal Eleitoral do Brasil, sob pena de multa diária de 100 mil reais (cerca de 18 mil euros) por cada conta que esteja ativa.

MAIS: Já podes ter conta Premium no X (ex-Twitter)? Saiba como

A disputa entre Musk e as autoridades brasileiras começaram no sábado, quando a X disse ter sido forçada a “bloquear certas contas populares no Brasil” por decisão judicial.

Posteriormente, o empresário nascido na África do Sul disse ir levantar todas as restrições impostas pela Justiça, apesar das potenciais consequências, como forma de combater a censura.

A flagrante conduta de obstrução à Justiça brasileira, a incitação ao crime, a ameaça pública de desobediência às ordens judiciais e de futura ausência de cooperação da plataforma são fatos que desrespeitam a soberania do Brasil e reforçam à conexão da dolosa instrumentalização criminosa das atividades do ex-Twitter, atual ‘X’, com as práticas ilícitas investigadas pelos diversos inquéritos anteriormente citados, devendo ser objeto de investigação da Polícia Federal“, afirmou o magistrado na decisão, de acordo com o ‘site’ brasileiro UOL.

Moraes alertou, além disso, que “as redes sociais não são terras sem lei e não são terra de ninguém“, e que devem respeito absoluto às leis brasileiras.

Também no domingo, a deputada brasileira Gleisi Hoffmann, presidente do Partido dos Trabalhadores (PT), liderado pelo Presidente do país, Luiz Inácio Lula da Silva, acusou Musk de ameaçar a democracia no Brasil com ataques ao judiciário.

A parlamentar disse que, com os repetidos ataques à Justiça brasileira e ao Tribunal Eleitoral, o magnata “ameaça diretamente o estado de direito democrático e as instituições” brasileiras.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui