Cisco lança centro tecnológica em cibersegurança no Quénia

A iniciativa faz parte do programa Country Digital Acceleration (CDA) da Cisco no Quénia, que procura impulsionar a empregabilidade e permitir a economia digital.

689

A Cisco, uma empresa multinacional de tecnologia, inaugurou na semana passada um novo Centro de Experiência Tecnológica em Cibersegurança na Universidade de Nairobi, no Quénia.

O novo centro de experiências foi inaugurado em colaboração com a Autoridade para as Tecnologias da Informação e da Comunicação (ICTA) e a Universidade de Nairobi.

Localizado na Universidade de Nairobi, o centro tem como objetivo apoiar as iniciativas de ciberdefesa do Quénia através de programas de competências e formação através da Cisco Networking Academy.

A iniciativa faz parte do programa Country Digital Acceleration (CDA) da Cisco no Quénia, que procura impulsionar a empregabilidade e permitir a economia digital.

A Cisco afirma que o centro também servirá como um espaço para os clientes e parceiros aprofundarem os seus conhecimentos sobre cibersegurança e aprenderem mais sobre as suas soluções, tirando partido dos avanços da inteligência artificial (IA) e da realidade virtual.

Durante o lançamento, Francine Katsoudas, vice-presidente executiva e diretora de pessoas, políticas e objetivos da Cisco, referiu que, com a IA a aumentar o ritmo de mudança no trabalho e na vida, é necessário garantir que as comunidades estão ligadas e têm as competências necessárias para participar e responder a ameaças.

“Esta parceria entre a CDA e a Cisco Networking Academy permite-nos equipar mais pessoas com as competências necessárias para o futuro e reforçar as defesas cibernéticas do país. Estamos ansiosos por trabalhar com o Ministério da Informação, Comunicações e Economia Digital e com a ICTA no avanço dos objetivos que definiram no plano de desenvolvimento do Quénia”, afirmou Katsoudas.

A Autoridade das Comunicações do Quénia documentou um aumento sem precedentes de ataques cibernéticos em 2023. Ao mesmo tempo, países de todo o mundo, incluindo o Quénia, enfrentam um grande défice de competências.

De acordo com o último Cisco Cyber Security Readiness Index, 86% das organizações a nível mundial são afetadas por uma escassez de talentos em matéria de cibersegurança.

Stanley Kamanguya, Diretor Executivo da ICTA, salientou que a colaboração era oportuna, acrescentando que a escalada das ciberameaças exige investimentos significativos para criar resiliência e reforçar as defesas.

Ele comentou: “Temos orgulho em colaborar com líderes tecnológicos como a Cisco para apoiar os nossos esforços na construção de uma economia digital segura. Com a ajuda do recém-inaugurado Centro de Experiência Tecnológica em Cibersegurança, podemos apoiar melhor as organizações na formação de pessoas e na segurança de ativos e infraestruturas digitais.”

Além disso, o secretário principal do departamento estatal para as TICs e a economia digital, o engenheiro John Tanui, anunciou que o governo está a criar uma agência que irá lidar especificamente com a cibersegurança, pelo que o Centro da Cisco será de grande ajuda neste esforço.

“A proteção dos cidadãos contra o cibercrime exige colaboração. A Cisco e a ICTA convidam o governo, as instituições de ensino, as organizações do sector privado e as entidades empenhadas na infraestrutura de cibersegurança e na transformação digital do Quénia a participarem nesta iniciativa histórica”, afirmou Shain Rahim, responsável nacional da Cisco no Quénia.

“Acreditamos que podemos fazer uma diferença importante e tangível na indústria e ajudar a acelerar a transformação digital do país.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui