Governos africanos acusados ​​de subestimar a capacidade tecnológica do continente

1028

O presidente do Ruanda Paul Kagame, acusou os governos africanos e as grandes empresas de assumir que a especialização técnica não está disponível em África, preferem apoiar fornecedores estrangeiros e impedir o crescimento de talentos locais para competir profissionalmente.

Paul Kagame que falava na abertura da cerimônia do Fórum Einstein (NEF) de 2018, realizado em Kigali. O presidente disse que é necessário um esforço consciente para procurar activamente e apoiar especialistas africanos no sector das tecnologias de informação.

O presidente advertiu que a diferença de gênero que existe no sector de ciências e tecnologias em África precisa ser abordada, mas acrescentou que a questão não é peculiar ao continente. “Não podemos nos dar ao luxo de deixar nossas mulheres e meninas fora da equação. A diferença de gênero na ciência é um fenômeno global, mas isso não é razão para aceitá-la como inevitável.

“Não pretendemos criar uma ciência africana autônoma que opere de forma isolada. Isso derrotaria o nosso objectivo. Estamos a trabalhar para conectar totalmente a África às redes mundiais que têm sido tão produtivas. Isso se baseia no clima positivo em nosso continente sobre o perspectivas de colaboração pan-africana prática”.

Kagame adiantou que, os governos são tão culpados quanto as grandes empresas com relação ao avanço tecnológico em África. Continuamos voltados aos mesmos fornecedores externos para as soluções, sem fazer todos os esforços para obter os nossos serviços aqui. Não faz sentido. Vamos usar os recursos que temos para dar aos talentosos especialistas africanos a chance de crescer e competir profissionalmente”.