Reino Unido quer centro de defesa cibernética em África

0
1263

Governo britânico anuncia interesse em ajudar os países a protegerem-se de ataques cibernéticos da Rússia e China. Na agenda, está a criação de um centro cibernético que operaria na Etiópia, Gana, Quénia, Nigéria e Ruanda.

O Governo do Reino Unido disse esta quarta-feira (12/05) que investirá o equivalente a 25 milhões de euros para ajudar os países vulneráveis de África e do Pacífico a construir defesas cibernéticas para evitar que a China, Rússia e outros preencham o “vácuo no ciberespaço”.O ministro britânico do Exterior, Dominic Raab, disse que o investimento do Reino Unidos seria usado para apoiar as equipas nacionais de resposta cibernética, aconselhar campanhas de consciencialização de segurança online em massa e colaborar com a Interpol para a criação de um novo centro de operações cibernéticas em África.

Raab disse que o Reino Unido e seus parceiros precisam tomar medidas para garantir que haja um ciberespaço livre, aberto e pacífico diante de estados hostis que procuram minar eleições democráticas e transformar a Internet em um espaço sem lei.

“Temos que conquistar corações e mentes em todo o mundo para um espaço muito mais amplo, para a nossa visão positiva de um ciberespaço… Para o benefício de todo o mundo”, disse Raab numa conferência de segurança online.

“Francamente, também temos que impedir que a China, a Rússia e outros países preencham o vácuo multilateral. Isso significa fazer muito mais para apoiar os países mais pobres e mais vulneráveis, que estão mais em risco”.

No mês passado, o Reino Unidos se uniu aos Estados Unidos para dizer que o serviço de inteligência estrangeira da Rússia foi responsável por hackear a SolarWinds, o que afectou nove agências federais e centenas de empresas do sector privado.

O principal espião cibernético do Reino Unido também advertiu em abril que o Ocidente precisava agir urgentemente para garantir que a China não dominasse tecnologias emergentes importantes e ganhasse o controle do “sistema operacional global”.

Raab disse que o investimento do Reino Unidos seria usado para apoiar as equipas nacionais de resposta cibernética, aconselhar campanhas de consciencialização de segurança online em massa e colaborar com a Interpol para a criação de um novo centro de operações cibernéticas em África.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here