África está a levar o cibercrime a sério?

0
587

O crime cibernético parece estar a causar estragos em todo o continente africano, em meio a um episódio pulsante de explosão digital. Em setembro de 2020, a Kaspersky relatou que a África registrou um total de 28 milhões de ataques cibernéticos entre janeiro e agosto de 2020.

Diante de números tão alarmantes, muitos observadores acreditam que em África a ameaça do crime cibernético não está a ser levada a sério, apesar dos danos que já está a causar às suas economias.

 Uma cimeira internacional sobre cibersegurança que deveria ter lugar nos dias 25 e 26 de outubro em Lomé, capital do Togo, foi cancelada no último minuto sem explicações ou quaisquer razões apresentadas.

Em um continente vulnerável como a África, que tem uma infraestrutura fraca e desactualizada e está a lutar para se desenvolver e, ao mesmo tempo, gasta menos, pouco ou nada em TICs, os especialistas acreditam fortemente que poderia haver consequências graves se os cibercriminosos entregassem um grande golpe para os seus sistemas computadorizados.

Poorva Karkare, Oficial de Políticas do Centro Europeu para Gestão de Políticas de Desenvolvimento (ECDPM), disse à BizTech África esta semana que “em um contexto onde a revolução digital está cada vez mais a ser alavancada para trazer desenvolvimento em diferentes aspectos da vida, pode haver sérias repercussões.

“Isso inclui gerar confiança entre a população (consumidores e beneficiários) para partilhar os seus dados com governos ou entidades privadas”. “A África está a ficar para trás e muito mais precisa ser feito, mas as questões em torno dos custos são realmente válidas.

Muitos observadores da indústria sugeriram que a África está atrás de muitos continentes em segurança cibernética, o que eles dizem estar seriamente em falta em muitas organizações públicas e privadas em África, incluindo as PMEs.

MAIS: Check Point Research: Trickbot é o malware mais usado pelos cyber-criminosos

“Em vez de ter a melhor legislação (mas sem capacidades de implementação), pode ser melhor identificar os problemas específicos que são mais relevantes no contexto africano e tentar concentrar os esforços legislativos e de implementação naqueles que os resolvem.

“Isso exigiria mais estudos diagnósticos sobre como é a situação no continente.”

Questionado sobre por que a África parece estar a minimizar a questão da cibersegurança ao contrário, por exemplo, da Europa, onde os governos parecem estar a flexionar os seus músculos, Karkare respondeu: “Ainda não está claro o quão grande é a ameaça, seja porque há falta de informação ou porque os formuladores de políticas não estão convencidos.

“Não há dúvida de que a proteção de dados pessoais é importante. Mas talvez o que é considerado actividade criminosa na Europa não seja imediatamente classificado nos países africanos por falta de legislação ou simplesmente por causa de realidades, preferências e prioridades políticas diferentes.

“Por exemplo, o Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR) da União Europeia é rigoroso em comparação com as legislações em outras partes do mundo com diferentes penalidades criminais e ideias sobre a livre circulação de informações.

“Portanto, uma comparação directa com a UE, embora desejável, pode não ser totalmente válida.”

No entanto, Poorva Karkare disse que em termos de cibersegurança há uma necessidade de combinar esforços trazer inteligência criminal, aplicação da lei (incluindo a promulgação de legislação), capacidades regionais e cooperação transfronteiriça, bem como conscientizar a população.

No entanto, Karkare disse que em um contexto em que os governos estão a combater os incêndios e a tentar resolver tantos problemas, talvez o cibercrime não tenha subido na lista de prioridades.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here