Aplicativos móveis são ameaças à privacidade digital ?

0
1335

O aplicativos móveis instalados nos nossos smartphones são uma das maiores ameaças à nossa privacidade digital. Eles são capazes de colectar grandes quantidades de dados pessoais, muitas vezes altamente sensíveis.

O modelo de consentimento no qual as leis de privacidade são baseadas não funciona. Os usuários de aplicativos continuam preocupados com a privacidade, como mostra uma pesquisa recente, mas eles ainda não são muito bons em protegê-la. Eles podem não ter o conhecimento técnico ou o tempo para revisar os termos de privacidade, ou podem não ter força de vontade para resistir à atração de aplicativos de tendências e ofertas personalizadas no aplicativo.

Como resultado, as leis de privacidade tornaram-se mais detalhadas, impondo requisitos adicionais sobre aviso prévio, minimização de dados e direitos do usuário. As penas se tornaram mais duras. E as leis são frequentemente globais ao alcance, como a Regra de Proteção à Privacidade Online das Crianças dos EUA e o Regulamento Geral de Proteção de Dados da UE. Por exemplo, um desenvolvedor africano de um aplicativo baixado por crianças nos EUA e na UE deve cumprir tanto com a Lei de Proteção de Informações Pessoais de África. Essa complexidade pode criar um fardo significativo de conformidade.

Mas o verdadeiro problema, de acordo com um relatório da Agência da UE para segurança cibernética, é que os advogados e desenvolvedores de aplicativos não falam a mesma língua. Um desenvolvedor de aplicativos pode não ter ideia de como traduzir princípios legais abstratos em etapas concretas de engenharia.

Como resultado, os reguladores têm olhado para o conceito de “privacidade por design” como uma maneira de fazer a ponte dessa divisão. O conceito foi desenvolvido no final da década de 1990 por Ann Cavoukian, quando ela era a Comissária de Informação e Privacidade de Ontário, Canadá. A privacidade por design vai além das políticas de privacidade e configurações de permissão no aplicativo. Isso exige que os desenvolvedores pensem em privacidade desde o primeiro momento do processo de design.
 

Cavoukian estabeleceu sete princípios fundamentais para uma abordagem de privacidade por design. Mas é o segundo princípio, “privacidade como configuração padrão”, que realmente define a barra para um aplicativo amigável à privacidade.

Isso coloca a responsabilidade do desenvolvedor de aplicativos de pensar sobre a privacidade do usuário antecipadamente, e projectar o aplicativo de tal forma que a privacidade seja protegida automaticamente, ao mesmo tempo em que oferece uma experiência de aplicativo totalmente funcional.

A privacidade deve se tornar um componente-chave da metodologia de design, seleção de ferramentas técnicas e declarações de valor organizacional.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here