Apple vai investigar app que monitora mulheres na Arábia Saudita

537

A Apple vai investigar a aplicação- “Absher” criada pelo governo da Arábia Saudita e que permite aos homens controlarem os “passos digitais” das mulheres da sua família. A informação foi passada pelo presidente da empresa, Tim Cook: “Ainda não tinha ouvido falar disto mas obviamente vamos olhar para o caso”, garantiu.

De acordo com o Business Insider, a Absher, que conta com uma comunidade de 11 milhões de utilizadores, permite que os homens inscrevam as suas mulheres como “dependentes” e que limitem a sua capacidade de viajar. Podem decidir quantas viagens e durante quanto tempo as mulheres podem viajar.

A Absher é uma aplicação que traz as leis discriminatórias do país para o mundo virtual.

Em entrevista a uma rádio americana, Tim Cook afirmou não ter sido informado por seu pessoal sobre a existência do software, mas que vai garantir que ele seja avaliado pelas equipas da App Store. O aplicativo pode passar despercebido como um software comum ao cidadão, permite, por exemplo, a consulta da situação da carteira de motorista, o pagamento de multas e o acesso a outros serviços oficiais.

Já a Amnistia Internacional considerou a aplicação uma reflexo das “práticas sistemáticas de descriminação” da Arábia Saudita, num comentário publicado pelo Washington Post. O Observatorio dos Direitos Humanos pediu directamente à Apple e à Google que removessem o programa das suas lojas de aplicações.

A Google ainda não se pronunciou sobre o assunto ou eventuais atitudes que poderiam ser tomadas contra o Absher.