Cofundador da FTX preso nas Baamas

1211

Foi no final do mês passado que surgiu a notícia da falência da FTX que tinha provocado uma perda de 3,1 mil milhões de dólares aos credores. Na altura a empresa estava já a ser acusada de estar por detrás de um esquema Ponzi maciço.

Agora, o seu cofundador e ex-CEO Sam Bankman-Fried, foi detido nas Bahamas e está a ser acusado pela SEC de fraude aos investidores.

Após ter sido detido nas Bahamas, a Securities and Exchange Commission (SEC) dos EUA acusou o cofundador da FTX, Sam Bankman-Fried, de “fraude de investidores“, anunciou. A SEC alega que Bankman-Fried “escondeu o seu desvio de fundos de clientes FTX para a empresa de negociação de criptomoedas Alameda Research enquanto levantava mais de 1,8 milhões de dólares de investidores“.

MAIS: FTX. Documentos de falência indiciam que há mais de um milhão de credores

O Ministério Público dos EUA do Distrito Sul de Nova York e a Commodity Futures Trading Commission (CFTC) também anunciaram acusações contra Bankman-Fried em ações paralelas, de acordo com a SEC.

Alegamos que Sam Bankman-Fried construiu um castelo de cartas com base na fraude, enquanto dizia aos investidores que era um dos edifícios mais seguros em cripto.

A suposta fraude cometida pelo Sr. Bankman-Fried é um alerta para as plataformas criptográficas de que elas precisam estar em conformidade com as nossas leis

| disse o presidente da SEC, Gary Gensler.

A SEC alega que, desde pelo menos maio de 2019, a FTX levantou US$ 1,8 mil milhões de investidores em ações, incluindo 1,1 mil milhões apenas de 90 investidores americanos. O Bankman-Fried promoveu a bolsa como uma plataforma de negociação segura com “medidas sofisticadas e automatizadas para proteger os ativos dos clientes“, afirmou. No entanto, na realidade, Bankman-Fried orquestrou uma fraude para ocultar o desvio de fundos de clientes para o seu fundo de hedge cripto de capital fechado, a Alameda Research.

Esse fundo recebeu tratamento especial, “incluindo uma linha de crédito ilimitada financiada pelos clientes da plataforma e isentando a Alameda de certas medidas importantes de mitigação de risco FTX“, acrescentou o comissário. Finalmente, os clientes foram expostos a riscos não revelados da exposição da FTX às participações da Alameda de “ativos ilíquidos e super valorizados, como tokens afiliados à FTX“. Alega ainda que Bankman-Fried usou fundos de clientes FTX misturados para fazer “investimentos de risco não revelados, luxuosas compras de imóveis e grandes doações políticas“.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui