FTX Financiou 1 em cada 3 membros do Congresso Americano

1537

Este artigo foi enviado por Euclides Manuel. Quer partilhar conhecimento com os demais seguidores do MenosFios? Siga os passos.

Os laços políticos desenvolvidos pela corretora FTX têm sido colocados sob evidência na medida em que as investigações sobre a fraude que levou ao prejuízo de US$10 bilhões se estendem.

No Congresso americano, ao menos 196 dos membros eleitos no senado e na câmara, dentre 535, teriam recebido doações de executivos ligados à exchange, segundo o site Coindesk.

As doações variam em tamanho, podendo ser tão pequenas quanto US$2,9 mil, mas apontam o interesse de Sam Bankman-Fried e os seus sócios em estreitar os laços políticos, em especial por conta da votação de legislações que poderiam endurecer as regras para a concorrência.

SBF e a FTX possuíam um escritório a cerca de 200m do Departamento do Tesouro americano, além de vizinho à Casa Branca. Segundo a porta-voz da sede do poder americano, Samuel encontrou-se com oficiais ligados ao presidente Joe Biden, de quem foi o maior contribuidor de campanha, cerca de 4 vezes em 2022. O seu irmão, Gabriel Bankman-Fried, também participou de 2 encontros na Casa Branca, ambos com conselheiros do presidente.

De acordo com o procedimento de gestão de fraudes nos EUA, os recetores do dinheiro roubado terão de devolver o dinheiro no instante em que forem identificados.

Caso similar ocorreu com Bernard Madoff, o responsável pela maior fraude financeira da história dos EUA estimada em US$64 bilhões (considerando o valor com os juros imaginários criados por Madoff no seu esquema Ponzi).

No caso do ex-presidente da Nasdaq e o seu esquema de pirâmide, o advogado do caso chegou a realizar um acordo com a viúva de um dos maiores beneficiários, que teve de devolver US$7 bilhões. Jeffrey Picower investiu US$600 milhões com Madoff, tendo lucrado 950% no esquema. Com isso, os responsáveis pelo escândalo que abalou Wall Street em meio a crise de 2008, conseguiram recuperar US$14,5 bilhões dos cerca de US$19 bilhões aportados na pirâmide, através de um meio questionado, dado que implicou punir milhares de aposentados e outras pessoas que teriam participado dos ganhos. Muitos consideraram que a atitude significou punir as vítimas.

De acordo com a Coindesk, 34 dos 196 congressistas que receberam doações de SBF e os seus sócios, alegaram ter doado o dinheiro para a caridade. Outros 19 planeiam retornar o dinheiro voluntariamente ao responsável por administrar a reestruturação da FTX.

Advogados do caso alegam ter recuperado US$5 bilhões, mas as coisas não são como parecem.

Na última semana, os advogados responsáveis pelo caso deram declarações apontando para recuperação de ativos da ordem de US$5 bilhões.

Muitos usuários em redes como o Twitter apontaram para um detalhe bizarro na afirmação.

Dos US$5 bilhões supostamente recuperados, cerca de US$2 bilhões estão em criptos detidas pela FTX, sendo US$500 milhões em FTTs, os tokens da própria FTX.

Não há hipótese que justifique considerar tais tokens como tendo algum valor após o colapso da exchange.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui