Kaspersky descreve as tendências de segurança cibernética em África

760

A Kaspersky Security Network descreveu as tendências de segurança cibernética em África para o primeiro trimestre de 2018, o continente revelou um aumento geral nas infecções de ameaças locais (propagação de malware em redes locais, por USBs, CDs, DVDs) com o Quénia em primeiro lugar com 61,8% de seus usuários infectados, seguido por 58,6% na Nigéria e 55,6% no Egipto.

A Kaspersky Lab realizou um painel de segurança cibernética anual para o Oriente Médio e África em Istambul, na Turquia, para explorar a evolução do cenário de ameaças e descobrir quais abordagens as empresas precisam ter para sobreviver. Os especialistas da Equipe de Análise e Pesquisa Global da Kaspersky Lab (GReAT) e especialistas convidados discutiram vários tópicos, incluindo segurança da IoT, tecnologia blockchain e o aumento de ataques direcionados, bem como ameaças direcionadas à infraestrutura médica.

As estatísticas para o mesmo período de tempo também mostraram um aumento geral perceptível nas ameaças da Web, com 28,8% dos usuários afectados por malware no Egipto. Por outro lado, a África do Sul teve o menor número de usuários afectados na região META (48,8% para ameaças locais e 19,6% para web).

As tecnologias futuras também foram focadas no Cyber ​​Security Weekend deste ano. Um painel de especialistas da Kaspersky Lab e convidados especiais da Turquia e Emirados Árabes Unidos falaram sobre como o blockchain afecta a forma como as pessoas vivem e trabalham actualmente.

Mohamad Amin Hasbini, pesquisador sênior de segurança e análise da Kaspersky Lab, disse que observou-se um aumento de 8,5% nos ataques de ransomware em alguns países africanos no primeiro trimestre de 2018 em comparação com o primeiro trimestre do ano passado, número que não surpreende, a julgar pelo infame sucesso dos principais ataques de ransomware no ano passado.

Os especialistas da Kaspersky lab aconselham que, as organizações que enfrentam uma ampla gama de ameaças cibernéticas que vêm de fora e de dentro, elas devem ter uma abordagem holística à segurança cibernética que una uma solução de segurança de TI eficaz, políticas de educação e segurança dos funcionários compreendidas e seguidas pelos funcionários.