Ministro das Telecomunicações: ataques cibernéticos são uma realidade no país

0
1902

O ministro das Telecomunicações, Tecnologias de Informação e Comunicação Social, Manuel Homem, alertou ontem, em Luanda, que em Angola várias empresas, como a Rádio Nacional de Angola (RNA), Centro de Imprensa Aníbal de Melo (CIAM) e a Sonangol, já sofreram ataques cibernéticos, o que demonstra que todos estão expostos ao risco.Ao proceder, no Centro de Imprensa Aníbal de Melo, ao lançamento de um programa de sensibilização sobre ataques cibernéticos, para a segurança e protecção de dados, Manuel Homem lembrou que “os crimes cibernéticos são um tema actual e preocupa a sociedade”, numa altura em que a utilização das tecnologias de informação vem crescendo devido à pandemia da Covid-19, que impulsionou a sua utilização a nível mundial.

Manuel Homem anunciou que o país tem mais de seis milhões de utilizadores de Internet. Com a utilização crescente da tecnologia, referiu, impõe-se que todos percebam os cuidados fundamentais a ter com as novas tecnologias, quer pelo utilizador individual, quer pelas organizações que expõem os serviços na rede global de computadores.

Angola, referiu, não está além do crescimento exponencial da utilização dos sistemas informáticos. Tendo em conta a segurança de informação que se impõe na Comunicação Social, sublinhou, o sector começou a implementar um quadro de sensibilização para maior protecção das redes e dos sistemas de dados nas infra-estruturas tecnológicas.

Ana Julante, consultora de segurança cibernética, disse que 70 por cento da população não está preparada para fazer face a um ataque cibernético, 43 por cento de pequenas empresas já os sofreram, 95 por cento foram vítimas de incidentes cibernéticos causados por erro humano e 77 por cento das empresas não têm plano de resposta para estes incidentes.

De acordo com a consultora, os ataques aumentaram com o surgimento da pandemia da Covid-19. Várias organizações receberam a “visita” de software malicioso, desenvolvido com a intenção de comprometer a confidencialidade, integridade e disponibilidade dos dados do sistema ou dispositivo dos invadidos. “Até empresas com melhores infra-estruturas de segurança foram alvo dos maiores ataques cibernéticos no mundo”, referiu.

Ana Julante frisou que os ataques cibernéticos mais comuns consistem em tentativas de obter e usar informações do sistema. A oradora acrescentou ainda que “95 por cento da engenharia social usa algumas formas de ataques cibernéticos com mensagens não solicitadas (spam), ficheiros de anexo suspeitos, endereço de e-mail inválido ou alterado, destinatário e assinaturas não definidas, título de e-mail suspeito ou vago, mensagens que criam sentido de urgência ou ameaça de identificar a autenticidade de um determinado utilizadores ou sistema, sem a autorização específica de privilégios ou direitos de acesso.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here