Moçambique. Economia digital em consolidação

1029

O Director interino de Engenharia do Standard Bank, Gulamo Nabi, considera que Moçambique está a consolidar a segunda fase da economia digital, que consiste na criação de negócios baseados em redes de computadores.

Nabi disse ainda que, o país está a dar os primeiros passos da última fase, que tem a ver com a comercialização electrónica de produtos e serviços.

Relativamente ao sector bancário, o futuro dos serviços financeiros será totalmente diferente da banca tradicional de hoje, o que pressupõe o estabelecimento de parcerias, tendo como fim servir os clientes de forma plena“, disse.

A fonte falava recentemente em Maputo, no âmbito da realização da IX edição da Conferência Mondato, um evento organizado pela “Mondato Summit Africa”, em parceria com a FSD Moçambique e o Instituto Nacional das Comunicações de Moçambique (INCM). O evento visava debater o papel dos países africanos na promoção da inclusão financeira através da digitalização das suas economias.

Foi neste sentido que o Standard Bank decidiu antecipar-se, transformando-se numa organização Pronta Para o Futuro (Future Ready) tendo, para o efeito, firmado importantes parcerias com vista à satisfação das necessidades dos clientes através da complementaridade dos serviços“, informou.

MAIS: Moçambique: Tributação da economia digital só em Dezembro de 2022

Prova disso, acrescentou, é o facto de ter sido o primeiro banco a estabelecer em 2016 uma parceria de interoperabilidade de serviços com uma carteira móvel que permite a transferência de dinheiro entre contas de forma rápida, segura e em tempo real beneficiando, em grande medida, as zonas rurais, onde não existem instituições bancárias.

Em 2017, o Standard Bank criou a incubadora de negócios, onde desenvolve programas de capacitação em áreas de promoção ao empreendedorismo e emprego, empoderamento económico de mulheres e conteúdo local através do estímulo à inovação tecnológica“, sublinhou.

Por seu turno, a directora executiva da FSD Moçambique, Esselina Macome, falou da importância, para Moçambique, da realização deste evento que serviu de plataforma para partilhar com os outros países o que tem sido feito no âmbito da inclusão financeira.

Temos a inclusão financeira como um pilar importante no país, porque acreditamos que contribui tanto  para o desenvolvimento bem como para o alívio da pobreza“, reiterou.

Para Macome, o processo de digitalização da economia moçambicana ainda está numa fase incipiente apesar do crescimento que se regista no uso de soluções baseadas em ferramenta digital.

Realizada sob o lema “Gerando Valor numa África Pós-Pandemia através da Transformação e Inclusão Digital”, a conferência juntou diversos intervenientes do processo de inclusão financeira do continente, tais como bancos, reguladores, doadores, fintechs, provedores de serviços financeiros, telecomunicaçõe, entre outros.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui