Saiba o que é uma VPN com a Multitel na Feira Internacional de Benguela

1184

Feira Internacional de Benguela

Este ano a Multitel está presente pela 4ª vez na Feira Internacional de Benguela que está a ter lugar de 18 a 22 de Maio no Estádio da Ombaka e conta com a presença de mais de 130 expositores Nacionais e Internacionais. Partindo sempre pelo princípios de qualidade, dinamismo e fiabilidade a que a empresa está habituada a apresentar e a necessidade de oferecer a pequenas, médias e grandes empresas serviços com qualidade a Multitel levou para a FIB os seus serviços e soluções:

  • Soluções de Interligação de Dados Nacionais e Internacionais (VPNs)
  • Internet Empresarial
  • Operação, Manutenção e Gestão
  • Consultoria Técnica

Foi sobre os seus serviços de VPN que conversamos um bocado com a Multitel que fez questão de explicar-nos um bocado sobre o que é uma VPN para os nossos leitores.

O que é uma VPN?

As soluções de VPN (Virtal Private Network, ou em português, Rede Privada Virtual) são redes normalmente utilizadas por empresas ou por um conjunto de empresas/organizações, que no âmbito das suas actividades, necessitam de estabelecer comunicação de dados entre várias das suas instalações num ambiente fiável e seguro.

É uma rede “Privada” no sentido de que a utilização é isolada e segura e “Virtual” porque na realidade é suportada numa rede de comunicações pública utilizando infraestrutura e outros recursos de modo compartilhado. O isolamento da informação para cada uma destas redes, que a torna “privada,  é garantida pela utilização de tecnologias de encriptação de modo a manter a confidencialidade e a segurança dos dados.

Portanto são utilizadas dois grandes tipos de ligações VPN:

  • Uma primeira opção em que é construída sobre rede pública de um (ou mais) operador(es) a quem é contratado serviço específico de interligação e serviços complementares. Neste caso o  operador fornece o serviço de VPN, permitindo ao cliente estabelecer a comunicação (dados, voz, imagem, …) de acordo com as características e a banda contratada em cada acesso, num ambiente seguro e dentro dos níveis de serviço acordados. Os CPE’s em cada um dos acessos, permitirão por sua vez, estender a interligação aos equipamentos distribuídos pelas redes existentes (LAN’s) em cada um dos locais.Este tipo de VPN, destina-se regra geral, a clientes mais exigentes a nível de latência, segurança, garantia da banda contratada e de disponibilidade de serviço ou que requeiram uma utilização permanente ou frequente da interligação.
  • Uma segunda opção, que é suportada numa ligação Internet, em que a VPN é criada fim-a-fim por túneis IPSec, estabelecidos pelos equipamentos terminais de cliente (Routers), ou mesmo computadores através de “VPN Client”.

De forma simplificada a Multitel apresentou-nos a figura abaixo para percebermos melhor:

VPN Multitel

Para a primeira opção podemos ver 3 VPN’s de empresas distintas (referenciadas por routers azuis, verdes e castanhos) que apesar de usarem infraestrutura comum na rede do operador (links, sistemas e equipamentos), tudo se passa como se a existência de outros utilizadores da rede fosse totalmente transparente, ou seja, o tráfego de cada empresa circula em túneis independentes e não é influenciado pela presença das restantes, ou mesmo de outros serviços suportados na rede do operador.

Já na segunda opção, por acesso via internet, várias interligações VPN ponto-a-ponto independentes, dentro do mesmo operador em entre operadores distintos (ex. de conectividade c/ routers amarelos).

Como nota final o Engenheiro Garcia Martins explica ainda que as VPN’s suportadas sobre acessos Internet satélite, poderão apresentar lentidão uma vez que não beneficiam da aceleração de dados usualmente praticada neste tipo de tecnologia para minimizar a percepção do efeito de latência. Esta realidade pode condicionar o correcto funcionamento de algumas aplicações exigentes em termos de latência.

Só nos resta agradecer a Multitel por estas informações que partilhamos com os nossos leitores e claro, desejar muitos sucessos na FIB.