Orange e MTN fazem acordo para sistema único de pagamentos móveis em África

483

Dois dos maiores operadores a nível de telecomunicações em África e conhecidos impulsionadores dos sistemas de pagamentos móveis – Orange e MTN – formaram uma joint venture chamada Mowali para fornecer uma plataforma de interoperabilidade que permitisse a transferência entre os seus 338 milhões clientes.

Em um comunicado, os dois operadores disseram que o empreendimento iria “ampliar os serviços financeiros em toda África“, acrescentando que a Mowali tinha o potencial de apoiar o desenvolvimento de novos serviços e promover a inclusão financeira.

O Mowali foi projectado para uso por bancos, provedores de serviços financeiros e provedores de dinheiro móvel existentes, mas inicialmente apoiará apenas transferências envolvendo clientes de dinheiro móvel da Orange e da MTN.

As duas operadoras têm um total combinado de 100 milhões de contas em 22 mercados na África Subsaariana. Outros grandes players do continente incluem Airtel, Vodacom / Safaricom e Milligo’s Tigo.

 “Ao fornecer total interoperabilidade entre as plataformas, a Mowali fornecerá um importante passo em frente que permitirá que o dinheiro móvel se torne um meio de pagamento universal na África“. – Stephane Richard, CEO da Orange.

Rob Shuter, CEO da MTN, acrescentou: “Um dos objetivos da MTN é acelerar a penetração do serviço financeiro móvel na África, Mowali é um veículo que nos ajudará a atingir essa meta. Além disso, cooperação e parcerias que nos ajudam a acelerar o ritmo de desenvolvimento e superar alguns da escala, escopo e complexidade dos desafios que a sociedade enfrenta são fundamentais “.

Além das iniciativas conduzidas pelos operadores, os reguladores em vários países africanos reforçaram a interoperabilidade dos fornecedores neste ano – inclusive no Quênia, Gana e Tanzânia.

Mobile money em Angola?

Actualmente o Xikila Money tem levantado a bandeira do “dinheiro móvel”. Há também o BNIX e o e-Kwanza BAI. Todos os serviços associados à banca “tradicional”.

Durante o AngoTIC 2018, na sessão sobre Mobile Money, os representantes das operadoras de telefonia móvel em Angola foram questionados sobre a entrada neste mercado e ficou claro que a Movicel ainda não tem intenção de “atacar” este mercado, enquanto a Unitel apontou a falta de legislação como um factor impeditivo, mas o seu representante mostrou total interesse no mercado.