Os cinco principais desafios de infraestrutura de TIC para a zona de livre comércio de África

0
777

A Área de Livre Comércio da África Continental (AfCFTA), onde Angola se inclui como Estado membro, é a maior zona de livre comércio do mundo. Deixamos aqui quais são os cinco principais desenvolvimentos de tecnologia e comunicação necessários para tornar esta região bem-sucedida.

zona de livre comércio de África-menos fios

A Área de Livre Comércio da África Continental (AfCFTA) é a maior zona de livre comércio do mundo em termos de número de países participantes. Embora governos e empresas tenham trabalhado para garantir uma colaboração harmoniosa entre países e regiões desde do inicio da AfCFTA em janeiro deste ano, há muito trabalho a ser feito na infraestrutura de tecnologia para garantir que a área de livre comércio cumpra sua promessa de melhorar a economia dos 55 estados menbros.

Plataformas de pagamentos transfronteiriços, redes de telecomunicações e acesso à Internet são ingredientes necessários para garantir o sucesso desta área comercial.

“Se a conectividade entre os mercados, o acesso aos dados e a infraestrutura leve são essenciais para o sucesso dos acordos comerciais, então, ao abordar estas questões desde o início, o AfCFTA pode ganhar muito mais tração do que os acordos comerciais anteriores”, disse Wamkele Mene, secretário-geral do Secretariado da Área de Comércio Livre Continental Africano, no relatório Foresight Africa 2021 .

A adoção da tecnologia não avançou uniformemente em todo o continente, no entanto, e a falta de infraestrutura confiável de TIC em certas áreas tem o potencial de estrangular o progresso da nova área de comércio. Mas, se o planeamento for bem feito por parte das organizações interessadas, dos governos e da iniciativa privada, os seguintes sistemas de comunicação e tecnologia impulsionarão o comércio no continente.

Sistemas de cadeia de suprimentos mais fortes

Para que as mercadorias se movam facilmente através das fronteiras, uma cadeia de suprimentos bem estabelecida precisa estar em vigor. Mas os desafios em torno da gestão da cadeia de abastecimento, incluindo comunicações e infraestrutura de transporte deficientes, têm sido um ponto de dor para a África.

A boa notícia é que uma nova geração de empresas implantou tecnologia emergente para facilitar o fluxo de mercadorias através das fronteiras.

Startups, como a empresa nigeriana de gestão de frete OnePort365 e a plataforma de e-logística com sede no Quênia, Amitruck, buscam facilitar a movimentação de mercadorias através de ferramentas digitais. Estas startups africanas de logística de cadeia de suprimentos e gestão digital de frete poderiam abrir mais comércio entre os países membros.

Amitruck usa análises e uma rede IoT para rastrear veículos e mercadorias, e está a apoiar empresas da cadeia de suprimentos como a Twiga Foods, que fornece a 8.000 fornecedores, e produtos de aproximadamente 17.000 agricultores.

Por sua vez, o OnePort365 usa ferramentas digitais para reservas online, gerenciamento e rastreamento de remessas locais e internacionais. A sua ferramenta de dados oferece aos proprietários de cargas preços transparentes de serviços de transporte, de ponta a ponta.

As empresas de e-logística africanas desempenham um papel fundamental no AfCFTA, “reduzindo os custos e atrasos de transporte e melhorando a qualidade do serviço ao longo dos corredores de transporte”, disse Vera Songwe, secretária executiva da Comissão Económica das Nações Unidas para a África, num relatório da IFC .

Já milhares de proprietários de cargas têm agora a oportunidade de tirar proveito de ferramentas digitais, para comparar preços, solicitar transporte, efetuar pagamentos e rastrear entregas. Estes módulos podem tornar os produtos mais baratos no mercado.

Um documento do Fórum Econômico Mundial citou o sucesso da Plataforma Africana de Suprimentos Médicos (AMSP) na aquisição de equipamentos médicos de fabricantes verificados. A sua implementação foi feita entre a União Africana e várias fundações, empresas e governos em todo o mundo.

“ A sua interface única permite a agregação de volume, gestão de cotas e facilitação de pagamento, bem como logística e transporte para garantir acesso equitativo e eficiente a suprimentos essenciais para os governos africanos”, disse o Fórum Económico Mundial.

Plataformas de pagamento interoperáveis

O dinheiro móvel tornou-se um produto básico em regiões mais avançadas, como África Oriental e Austral. No entanto, é filho direto das empresas de telecomunicações, transferindo o desafio das telecomunicações transfronteiriças para os pagamentos móveis.

Para que as empresas paguem facilmente pelas mercadorias, os pagamentos digitais precisam ser harmonizados e interoperáveis. Este desafio abriu oportunidades para startups como a Flutterwave, Eversend e Chipper Cash, que oferecem pagamentos digitais para comerciantes e transferências de dinheiro internacionais.

As aplicações de dinheiro móvel também abriram oportunidades para negócios em África, pois permitem que pessoas que não têm contas bancárias tradicionais façam negócios. Estas aplicações de dinheiro móvel agora estão a transformar-se em plataformas de pagamento maduras.

Grandes players, como a M-Pesa da Safaricom, por exemplo, construíram sistemas robustos de pagamento de dinheiro móvel. A M-Pesa, por exemplo, permitirá que terceiros possam usar a sua API nos seus programas e também lançar e-stores dentro da aplicação M-Pesa.

Para o sector bancário, o Banco Africano de Exportação e Importação (Afreximbank) e o Secretariado do AfCFTA lançaram a implementação do Sistema Pan-Africano de Pagamentos e Liquidação (PAPSS), um sistema que irá facilitar os pagamentos transfronteiriços, tendo em mente os vários sistemas locais, e moedas em cada país.

O sistema também poupará ao continente mais de 5 mil milhões de dólares em custos de transação de pagamentos todos os anos, reduzindo o custo global das mercadorias.

“A implementação do Acordo que estabelece o AfCFTA irá melhorar o comércio intra-africano, necessitando, a este respeito, o estabelecimento de um sistema de pagamentos para facilitar as transações comerciais transfronteiriças acessíveis e eficientes”, disse Wamkele Mene, secretário-geral do African Continental Free Trade Area, em comunicado anunciando o lançamento do PAPSS.

Telecomunicações transfronteiriças

Telecomunicações contínuas são necessárias para facilitar o comércio transfronteiriço sob o AfCFTA e acordos e tarifas de interconexão devem ser negociados para facilidade e acessibilidade, de acordo com um relatório da UNCTAD (Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento).

As telecomunicações são fundamentais para facilitar o comércio. No entanto, as diferentes taxas de chamadas internacionais representam um custo para as empresas em toda a África. Na África Oriental, a implementação da One Network Area tem sido vista como uma forma de reduzir os custos de roaming para a região.

A redução das taxas de telecomunicações transfronteiriças para serviços na África Oriental (Burundi, Quênia, Ruanda, Tanzânia, Uganda e Sudão do Sul) poderia informar o resto do continente sobre como implementar tais iniciativas para garantir o apoio ao comércio.

Até 2025, o GSMA espera que utilizadores móveis únicos em África, com uma população estimada em 1,3 mil milhões de pessoas, atinjam 615 milhões. Isto significa que a comunicação móvel será fundamental para a realização de pacotes de roaming de baixo custo, transfronteiriços ou móveis para melhorar a comunicação.

Ampla penetração da Internet para serviços em nuvem

Um acesso à Internet estável e confiável que possa suportar é necessário para ser a espinha dorsal de um sistema comercial digitalizado para a região. Embora os data centers estejam a ser construídos para oferecer suporte ao SaaS africano e aos serviços em nuvem que podem permitir o comércio, a penetração da banda larga em África ainda é desigual, com alguns países como Quênia, África do Sul, Maurícia e Nigéria a ultrapassar os seus pares.

Regiões com baixa penetração de internet ou conexões instáveis ​​estão fadadas a perder comércio em todo o país, diz Elraaid de Lamah. Elraaid insiste que a confiabilidade, não apenas o fornecimento de uma conexão com a Internet, é fundamental.

“Assim, embora o primeiro passo seja garantir que a Internet possa facilitar o comércio transfronteiriço, a (fraca) confiabilidade do acesso à Internet é talvez a barreira mais importante que precisamos superar”, acrescentou.

Com acesso regular e consistente à Internet de alta velocidade, a comunicação pode ser ininterrupta e permitir que indivíduos e empresas conduzam os seus negócios com mais rapidez e regularidade.

No entanto, o desenvolvimento sustentável é necessário para alcançar a penetração da banda larga de nível mundial em África.

“Para alcançar o acesso universal à internet de banda larga em África – o que poderia ajudar o continente a ultrapassar as restrições de infraestruturas em vários setores, tal como os telemóveis fizeram com linhas fixas há 20 anos – estima-se que sejam necessários 100 mil milhões de dólares em investimentos na próxima década, com um terço do que acontece em infraestruturas” disse o Relatório Foresight Africa 2021.

Sistema de endereço postal unificado

Sistemas confiáveis ​​de endereço postal em África não existem na maioria dos países. No entanto, ter um sistema de endereçamento na África pode garantir um comércio mais fácil entre os países, de acordo com Taha Elraaid, o CEO da Lamah Technologies, uma empresa que está a trabalhar num sistema de endereçamento digital que pode apoiar o comércio de bens físicos.

“Quando se trata de endereço postal, entregas e outras formas de comunicação, precisamos de ser capazes de nos contactar fisicamente, e não apenas digitalmente. As regiões que carecem de abordagem consistente e fiável e os serviços postais devem olhar para o sucesso de outros e descobrir que dados ou tecnologia podem melhorar isso”, disse.

Acrescentou ainda, que para fins comerciais, as empresas precisam saber onde moram os seus clientes alvo, além das escolhas que estão a fazer. Com essas informações, as empresas podem construir uma infraestrutura e serviços mais eficazes. Ter um endereço garante que se alcance seu público-alvo completo, o que pode levar a um comércio maior e mais sustentável.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here