Os governos africanos e a digitalização para a inovação

0
803

Já foi dito, mas vale a pena repetir – a pandemia COVID-19 oferece à África a chance de avançar no desenvolvimento por meio da digitalização e, potencialmente, se posicionar como uma potência digital global.

E, embora o sector privado tenha um papel importante a desempenhar neste desenvolvimento, os governos em toda a África têm um papel crítico a desempenhar para permitir a digitalização, através do desenvolvimento de infraestrutura, mas também na digitalização dos seus próprios sistemas e processos, bem como na criação de um ambiente favorável usando regulamentação e ferramentas legais.

Desenvolvimentos como o Acordo de Comércio Livre Continental Africano (AfCFTA) reforçam a necessidade urgente dos governos digitalizarem para permitir não apenas o comércio, mas também o crescimento económico positivo em todo o continente.

No seu relatório Reopening and Reimagining Africa, a McKinsey and Partners observam que os governos desempenharão um papel fundamental na promoção de um ambiente propício para a digitalização, incluindo a garantia de que os ambientes regulatório e legislativo apoiem a digitalização. Os governos podem intensificar o fornecimento de serviços e informações digitais e utilizar ferramentas digitais para colectar, gerenciar e usar dados para informar a tomada de decisões.

Os benefícios da economia digital são significativos

As tecnologias digitais oferecem uma chance de acelerar o ritmo do avanço económico e social, abrem os novos caminhos para o rápido crescimento económico, inovação, criação de empregos e acesso a serviços. No entanto, muitas pessoas em África não têm acesso à Internet e muito poucos cidadãos têm IDs digitais ou acesso a serviços financeiros, o que, por sua vez, nega o acesso a serviços essenciais.

A iniciativa de economia digital para África do Banco Mundial observa que poucos governos estão a investir estratégica e sistematicamente no desenvolvimento de infraestrutura digital, serviços, habilidades e empreendedorismo. “Os governos precisam encontrar meios mais ágeis e eficazes de prestar serviços e interagir com os cidadãos”, comenta a iniciativa.

Para desbloquear a transformação digital, o sector público deve ser trazido para a era digital, acelerar a implementação de IDs, assinaturas e registros digitais, bem como implementar as políticas favoráveis ​​ao mundo digital. Aqui, as parcerias público-privadas podem desempenhar um papel significativo, ajudam a desenvolver as plataformas necessárias para permitir que os cidadãos acessem identificações digitais e serviços oferecidos pelo governo.

No Marrocos, a Microsoft 4Afrika fez parceria com a Algo Consulting para desenvolver o Wraqi, uma solução de administração online que usa aprendizado de máquina, IoT e blockchain para melhorar as relações cidadão-governo. Wraqi permite que os usuários criem uma conta com um repositório de assinaturas, que entidades governamentais podem usar para identificar, autenticar e autorizar cidadãos.

A política desempenha um papel vital na criação de um ambiente favorável

As tecnologias digitais são essenciais para enfrentar os desafios socioeconómicos, e a digitalização precisa ser ampliada pelos formuladores de políticas para desbloquear a transformação estrutural que ajudará a mitigar alguns dos piores efeitos da pandemia COVID-19.

O governo é o facilitador estratégico em todos os países africanos, e a visão da Microsoft 4Afrika é permitir o acesso remoto, permitir a colaboração entre agências e fornecer serviços confiáveis ​​e seguros, impulsionar a sustentabilidade e a transformação.

Um relatório da McKinsey estimou que os serviços públicos de África poderiam alcançar ganhos de productividade anuais relacionados à tecnologia entre USD 10 bilhões e USD 25 bilhões por ano até 2025 por meio de medidas como a digitalização da gestão de registros públicos e o uso de planejamento de recursos empresariais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here