Dicas para criar senhas infalíveis [Parte 2]

2369

1 – Misture letras, símbolos especiais e números

Sempre que possível, crie senhas misturando letras, símbolos especiais e números, pois esta prática dificulta bastante a sua descoberta. Para facilitar a decoração, você pode utilizar uma palavra como base, mas substituir alguns de seus caracteres. Por exemplo, em vez de usar menosfios como senha, utilizem3n#$f!#$. Repare que a palavra continua fazendo sentido para você e que os caracteres substitutos podem ser decorados sem muito esforço.

2 – Use letras maiúsculas e minúsculas

Alguns mecanismos de autenticação são “case sensitive“, ou seja, tratam letras maiúsculas e minúsculas como caracteres distintos. Acredite, senhas que envolvem estas duas características são mais seguras. E você pode explorar esta dica de várias maneiras, por exemplo: em vez de colocar a primeira letra em maiúscula, como fazemos com nomes, coloque a segunda ou a terceira; ou, então, você pode fazer com que todas as consoantes em uma senha estejam em letras maiúsculas. Ao combinar esta orientação com a dica anterior (misturar letras, símbolos especiais e números), você criará uma senha ainda mais segura.

3 – Use uma quantidade de caracteres superior ao recomendado

Cada caractere que você adiciona em sua senha torna a sua descoberta mais difícil, inclusive para programas criados especialmente para esta finalidade. Assim sendo, ao criar uma senha, sempre utilize uma quantidade de caracteres superior ao mínimo exigido pelo sistema. De modo geral, o ideal é contar com senhas que utilizem, ao menos, 8 caracteres.

4 – Crie senhas de forma que você utilize as duas mãos para digitar

5 – Use regras para criar suas senhas e não esquecê-las

Esta talvez seja a dica mais interessante deste texto: é recomendável que você use uma senha diferente para cada serviço, isto é, que não utilize a mesma sequência para vários fins. O problema desta abordagem é que você se vê obrigado a decorar uma variedade grande de combinações. Mas há como fazer isso de maneira fácil e eficiente: criando senhas com base em regras. Assim, você só precisa se lembrar das regras para saber qual senha corresponde a cada serviço.

Vamos criar agora um conjunto de regras para facilitar a compreensão. O que é apresentado a seguir é apenas um exemplo. A ideia é a de que você explore a sua criatividade e crie suas próprias regras.

Vamos supor que iremos criar senhas para serem utilizadas apenas em serviços da internet. Nossas regras serão as seguintes:

– Regra 1: utilizar sempre a primeira e a última letra do nome do serviço para começar a senha;

– Regra 2: se a quantidade de letras que compõe o nome do serviço for par, colocar na sequência o número 2. Colocar o número 3 se for ímpar;

– Regra 3: se o nome do serviço terminar com vogal, escrever a palavra “Menos”, com ‘M’ maiúsculo. Se terminar com consoante, escrever o termo “Fios”, com ‘f’ maiúsculo;

– Regra 4: continuar a combinação informando a quantidade de letras que compõem o nome do serviço;

– Regra 5: se o nome do serviço começar com vogal, finalizar a senha com o caractere ‘@’. Se for consoante, utilizar ‘&’.

Com base nestas cinco regras, vamos criar, como exemplo, uma senha para o serviço Facebook:

– Regra 1: a primeira e a última letra de “Facebook”: fk

– Regra 2: “Facebook” tem oito letras, então: fk2

– Regra 3: “Facebook” termina com vogal, então: fk2Fios

– Regra 4: “Facebook” tem 8 letras, então: fk2Fios8

– Regra 5: “Skype” começa com consoante, logo a senha é: fk2Fios8&.

Com base neste conjunto de regras, uma senha para o Gmail seria: gl2Fios4&. Note que, com este truque, você não precisará decorar cada combinação (embora isso acontecerá automaticamente para as senhas muito utilizadas), bastará apenas se lembrar das regras.

No início, esta dica dá um pouco de trabalho, mas com o passar do tempo as regras serão assimiladas. Além disso, você pode criar uma quantidade menor de regras ou regras que você considera mais fáceis. O importante é utilizar a sua criatividade.

Em breve a 3ª parte do artigo. | Leia aqui a parte 1.