Sabes como navegar na Internet em segurança?

2281

A World Wide Web, mais conhecida como Internet, é a maior rede digital alguma vez criada e a principal plataforma de comunicação para mais de 64% da população mundial, ultrapassando atualmente os 5,16 mil milhões de utilizadores ligados, de acordo com o relatório DIGITAL 2023: GLOBAL OVERVIEW REPORT da WeAreSocial.

Como mostra o relatório WeAreSocial, os utilizadores de todo o mundo utiliza esta rede global, principalmente para pesquisar e partilhar informações. Os sites mais visitados são as redes sociais e outras plataformas de mensagens, com um total de 4.760 milhões de utilizadores no início do ano, sendo o Facebook a rede mais popular, com 2.958 milhões de utilizadores ativos. Entretanto, os cibercriminosos continuam a tirar partido da imensa população destas plataformas para os seus próprios fins, com um aumento de 38% nos ciberataques globais em 2022, em comparação com o ano anterior.

O anonimato ou impessoalidade que acompanha estas telecomunicações permite que os cibercriminosos realizem ataques de phishing mais facilmente, fazendo-se passar por empresas e conhecidos para distribuir malware em dispositivos pessoais e de trabalho. De facto, apesar da quantidade significativa de tempo que passamos em frente aos ecrãs, com uma média diária de 6 horas e 37 minutos na Internet e ligados ativamente à rede durante mais de um quarto do dia, muitos continuam a repetir algumas más práticas e erros comuns. A Check Point Software partilha os mandamentos essenciais que cada utilizador deve seguir enquanto utiliza a Internet, para se manter seguro no seu quotidiano digital:

  1. Não clicar em ligações desconhecidas: Os utilizadores da Internet são muitas vezes demasiado confiantes quando navegam na Web. Com um número crescente de campanhas de phishing, os utilizadores devem ser especialmente cautelosos com os URLs enviados por SMS ou correio eletrónico. Cada vez mais, os cibercriminosos fazem-se passar por sites de empresas conhecidas para roubar dados pessoais. Para evitar ser vítima destes esquemas, os utilizadores devem sempre visitar o site oficial do remetente diretamente a partir do seu browser, em vez de clicar na ligação incluída nas mensagens;
  2. Utilizar palavras-passe fortes e únicas: Ter palavras-passe diferentes para cada plataforma pode evitar danos colaterais em caso de ataque. Quando os cibercriminosos encontram uma combinação correta, tentam aceder a todos os serviços do utilizador utilizando a mesma palavra-passe. De acordo com um inquérito da Google, 65% dos participantes reutilizam as suas palavras-passe em várias contas e serviços. Para evitar este risco, recomenda-se a existência de uma palavra-passe única para cada aplicação ou serviço, e estas palavras-passe devem ser robustas, com pelo menos oito caracteres, incluindo letras maiúsculas e minúsculas, números e símbolos;
  3. Ativar a Autenticação de Dois Fatores: Outra forma de proteger uma conta e reforçar a segurança da palavra-passe é utilizar serviços de autenticação de dois fatores, que fornecem uma barreira adicional no caso de as palavras-passe serem comprometidas. Ao adicionar um passo obrigatório em que o utilizador tem de autorizar o acesso a uma das suas contas, estas ferramentas podem dissuadir e prevenir ciberataques;
  4. Ter cuidado ao descarregar anexos de fontes desconhecidas: Os anexos de remetentes desconhecidos podem ser um ponto de entrada para qualquer tipo de ciberataque. Por conseguinte, é crucial não descarregar qualquer tipo de ficheiro de uma mensagem indesejada ou inesperada, uma vez que pode servir de porta de entrada para o malware entrar num dispositivo;
  5. Evitar aceder a redes Wi-Fi públicas e desprotegidas: É importante ter em conta que as redes públicas não têm quaisquer medidas de segurança, o que abre uma porta fácil aos cibercriminosos. O principal problema é que os atacantes podem aceder a tudo o que está armazenado no nosso dispositivo quando estão presentes na mesma rede que nós. Dado este risco permanente, é melhor evitar utilizar estas redes sempre que possível;
  6. Navegar sempre em sites de confiança: É essencial verificar se o site que está a ser acedido possui um Certificado SSL. Esta tecnologia garante que a ligação à Internet é encriptada e protege qualquer informação confidencial enviada, impedindo que os cibercriminosos captem ou modifiquem os dados transferidos. Uma forma rápida de reconhecer os sítios seguros é verificar o URL, que deve incluir “https://” no início;
  7. Educação e sensibilização para a cibersegurança: A melhor forma de evitar ser vítima de cibercriminosos é ser capaz de os reconhecer. Os utilizadores precisam de formação em práticas básicas de higiene digital, uma vez que isso pode impedir significativamente a ocorrência de ciberataques.

A Internet é, sem dúvida, uma parte fundamental das nossas vidas e faz parte da rotina diária de milhões de utilizadores e empresas em todo o mundo. No entanto, apesar da utilização contínua, as más práticas em matéria de cibersegurança ainda estão presentes, especialmente aqui em Angola, onde estamos a ver organizações a serem atacadas, em média, 2412 vezes por semana nos últimos 6 meses no segundo trimestre de 2023.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui