Em Angola, Smartphone 4Afrika custa quase o dobro do preço previsto!

1295
Foto da brochura de produtos da Unitel do mês de Julho
Foto da brochura de produtos da Unitel do mês de Julho

Há cinco meses atrás, os principais portais e blogs de tecnologia de todo o mundo anunciaram a chegada do primeiro smartphone africano “Huawei 4Afrika” que segundo os rumores estaria avaliado em apenas 150 USD, como pode ler neste artigo. A grande novidade é que acaba de ser apresentado oficialmente em Angola, durante a FILDA 2013, o “Huawei 4Afrika” que já se encontra a venda nas lojas da Unitel com o preço de 27.000 Kz, quase o dobro do preço que se previa.

Segundo o site do fabricante, o Huawei 4Afrika, foi concebido para trazer mais tecnologia de ponta ao alcance de mais pessoas em África e a um preço que é certo para os seus consumidores. Mas será que um telemóvel que custa 270 USD é a melhor solução para África? Onde o maior problema para a expansão da tecnologia está no fraco poder econômico por parte da população da base da pirâmide.

A própria Unitel tem criada uma linha de smartphones Android que custam entre 10 à 15 mil kwanzas , que são ao meu ver uma solução mais adequada para a nossa realidade. E dá para perceber que existe uma enorme demanda para estes produtos, prova disso é que eles “voam” das agências e ainda assim a oferta não está a corresponder a esta tal demanda, pois quase nunca têm em stock.

Um outro grande projecto tecnológico, concebido para resolver o problema de conectividade em zonas de difícil acesso é o Loon da Google, que destina-se a entregar a Internet 3G para novas partes do mundo através de balões movidos a energia solar que sobem através da estratosfera. No entanto, segundo o queniano Perez Kariuki, ex-consultor de tecnologia para o Banco Mundial, esta não é uma solução real para África porque “No Quênia, a maioria das regiões do país têm acesso 3G“, no caso de Angola o Loon seria apenas mais um concorrente da Unitel e Movicel que já oferecem estes serviços e a preços acessíveis.

Gostaria de chamar com este artigo, os nossos leitores a um debate no sentido de percebermos quais as melhores soluções tecnológicas para a nossa realidade e provocar a sugestão de propostas e estratégias para resolver os nossos “problemas tecnológicos“. Por isso não deixe de comentar e partilhar.