YouTube remove mais de 130 mil vídeos por desinformação sobre a Covid-19

0
2225

Desde outubro de 2020 até Setembro de 2021 o Youtube removeu mais de 130.000 vídeos, por violarem as políticas da plataforma sobre a covid-19 relativamente à informação sobre vacinas, informou Neal Mohan, ‘chief product officer‘, responsável pela área de produto do YouTube, em comunicado.

A elaboração de regras sobre a desinformação médica é uma tarefa que implica desafios e equilíbrios complicados” e “o conhecimento científico evolui à medida que surgem novos estudos e, em primeira mão, com a experiência pessoal que, regularmente, desempenha um papel poderoso no discurso ‘online‘”, salienta o documento.

Falando das vacinas, as mesmas “têm sido uma fonte de debates ferozes ao longo dos anos, apesar da orientação consistente das autoridades de saúde sobre a sua eficácia“, por isso hoje “estamos a expandir as nossas políticas de desinformação médica no YouTube com novas diretrizes sobre as vacinas atualmente administradas que são aprovadas e confirmadas como seguras e eficazes pelas autoridades de saúde locais e pela OMS [Organização Mundial de Saúde]“, refere Neal Mohan.

MAIS: Rússia pondera bloquear Youtube em todo o território do país

As regras da comunidade YouTube “já proíbem certos tipos de desinformação médica” e “há muito que removemos conteúdo que promove remédios prejudiciais, tais como dizer que beber terebintina pode curar doenças“.

De informar que no início da pandemia de covid-19, as políticas do Youtube tiveram por base estas políticas e a plataforma de vídeo trabalhou com especialistas para desenvolver 10 novas regras à volta da desinformação médica e a covid-19.

Além dos mais de 130 mil vídeos removidos em quase um ano, “também aumentámos o conteúdo com informações de alta qualidade para pessoas que pesquisam por conteúdo relacionado com o coronavírus e disponibilizámos painéis de informação localizados sobre vacinas que foram vistos milhares de milhões de vezes“, acrescenta o documento.

O YouTube afirma ainda que trabalha “em estreita colaboração com as autoridades de saúde” e procura “equilibrar” o seu compromisso “de uma plataforma aberta com a necessidade de remover conteúdo nocivo flagrante“, salienta.

Temos visto constantemente falsas alegações sobre as vacinas contra o coronavírus espalharem-se pela desinformação sobre as vacinas em geral, e, agora, estamos num ponto em que é mais importante do que nunca expandir o trabalho que iniciámos com covid-19 para outras vacinas“.

Ou seja, “o conteúdo que alegue de forma falsa que as vacinas aprovadas são perigosas e que causam efeitos crónicos na saúde”, que “alegue que as vacinas não reduzem a transmissão ou a contração da doença ou que contenha informações incorretas sobre as substâncias contidas nas vacinas, será removido“, explica.

A atualização das políticas hoje divulgada “é um passo importante para lidar com a desinformação sobre as vacinas e a saúde na nossa plataforma, sendo que vamos continuar a investir em políticas e produtos que tragam informações de qualidade aos nossos espectadores e a toda a comunidade do YouTube“, remata Neal Mohan.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here