Zimbábue pede à Starlink que corte os serviços até aprovação

O Zimbabué é um dos vários países africanos, incluindo a Angola e vizinha África do Sul, que ainda não licenciaram o serviço.

868

A Autoridade Reguladora dos Correios e Telecomunicações do Zimbabué (POTRAZ) solicitou à Starlink que desligasse todos os kits que estavam a funcionar ilegalmente no Zimbabué, com base no facto de o serviço ainda não ter sido licenciado.

Gift Machengete, diretor-geral da PORTRAZ, pediu à Starlink que desativasse os seus serviços até que eles se regularizassem. A Starlink notificou em 12 de abril os usuários no Zimbábue que o regulador a instruiu a “desativar o serviço”. Machengete avançou que conversou com Elon Musk em 11 de abril e pediu que a SpaceX, empresa controladora da Starlink, apresentasse primeiro um pedido formal para fornecer serviços no Zimbábue.

O comércio de kits Starlink cresceu no Zimbabué, especialmente no mercado informal. No início deste ano, Portraz reprimiu o uso ilegal do Starlink, com a polícia aprender os cidadãos encontrados a usar o serviço.

Em janeiro, o POTRAZ alertou para o facto dos indivíduos e as empresas que fossem descobertos a distribuir e a publicitar equipamento de acesso aos serviços de Internet Starlink poderem ser detidos. No entanto, as notícias locais indicam que o comércio de kits Starlink parece ter continuado através das plataformas das redes sociais.

O Zimbabué é um dos vários países africanos, incluindo a Angola e vizinha África do Sul, que ainda não licenciaram o serviço.

As notícias para a Starlink são melhores em Madagáscar, onde o governo parece estar mais interessado em tirar o máximo partido de um serviço que poderá resolver pelo menos alguns dos problemas de conetividade do país.

A Starlink obteve o acordo do governo malgaxe para lançar os seus serviços comerciais em Madagáscar. Não foram divulgados pormenores sobre a data de lançamento das atividades comerciais da Starlink em Madagáscar, embora a empresa tenha divulgado planos para lançar os seus serviços de conetividade de alta velocidade em Madagáscar a partir do terceiro trimestre de 2024.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui