75% dos profissionais acham não ter competências para trabalhar no digital, diz relatório

0
837

O mais recente estudo da Salesforce revelou que os profissionais, ao redor do mundo, não se sentem preparados para enfrentar o mundo digital e onde apenas apenas 28% afirmam estar ativamente envolvidos na sua formação.

No seu relatório Global Skills Index, a Salesforce informa haver uma crise crescente, a nível global, na área das competências digitais, alertando assim para uma necessidade urgente de ação. A investigação consultou mais de 23.500 profissionais, em 19 países, o que fez chegar a conclusão que 75% dos inquiridos não estão equipados devidamente para aprenderem as competências digitais que as suas empresas necessitam ou pedem. Os entrevistados indicaram estarem disponíveis para a aquisição das competências digitais necessárias para a atualidade e para os próximos cinco anos.

O relatório mostrou ainda que 73% dos profissionais não se sentem equipados devidamente para aprenderem as competências digitais necessárias e 76% não se sente bem equipado para o futuro, e onde este pessimismo contrasta com a vontade e planos traçados por 82% dos profissionais para aprender novas competências no futuro. No entanto, apenas 28% está ativamente envolvido na aquisição de novas competências digitais.

A empresa americana de software on demand diz que a lacuna das competências é preocupante, mas ao mesmo tempo representa uma oportunidade.

MAIS: Marketing de Conteúdos: O Futuro da Identidade Digital

A escala avalia a preparação digital, preparação, níveis de competência, acessibilidade e participação ativa em programas de reskilling. “Perante este cenário, torna-se clara e urgente a necessidade de investimento na diminuição desta lacuna de competências digitais”, diz a especialista em Customer Relationship Management.

De referir ainda que apenas 17% dos inqueridos se classificam como “avançado” no que diz respeito ao ambiente de trabalho digital. Já 49% afirma qualificar-se como “iniciante”.

Se pensa que navegar na internet ou participar nas redes sociais lhe confere competências digitais, a Salesforce afirma que estes não são úteis no ambiente de trabalho. A especialista explica que estas não se traduzem nas competências necessárias para impulsionar a recuperação, a resiliência e o crescimento das empresas no mundo digital. A reforçar, 64% dos inquiridos da geração Z diz-se “avançado” nas redes sociais, mas apenas 31% diz-se competente em nível “avançado” no que diz respeito a tecnologias que são necessárias para o negócio.

A maioria dos entrevistados que dizem ter competências nas redes sociais de nível avançado são da América do Norte (83%), Europa (82%) e Ásia-Pacífico (70%). Mas apenas cerca de um terço de cada região se diz preparado para os desafios digitais que as suas empresas vão enfrentar nos próximos cinco anos.

No estudo, é destacado por 63% dos inquiridos que as ferramentas colaborativas, como o Slack, são consideradas as mais importantes nas empresas e ao longo dos próximos cinco anos. Mas apenas 25% dos que também se afirmam com skills nas redes sociais, conseguem autoavaliar-se como “avançados” no uso de tecnologia colaborativa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui