BFA Global e FSD África investem milhões de dólares para impulsionar startups climáticas em África

752

As multinacionais BFA Global e a FSD Africa anunciaram a criação de uma “launcher venture“, denominada TECA (Desencadeando a Ação Climática Exponencial, sigla em inglês), que terá como objectivo a criação de startups fintech com soluções que permitam a resiliência climática nas comunidades mais vulneráveis em todo o mundo, principalmente em África.

Com um investimento de 3,3 milhões de dólares nos próximos 4 anos, a TECA vai apoiar desde a fase de ideias até ao lançamento os empreendedores africanos pioneiros, expandindo assim o “pipeline” de oportunidades nas fintechs para o espaço de resiliência climática.

Com essa grande ajuda da FSD Africa, espera-se que haja uma aceleração no ecossistema em torno dos empreendimentos, envolvendo-se com várias partes interessadas para desbloquear capital, atrair talento e criar pontos de prova para estimular mais inovação para a resiliência climática no nosso continente.

Na FSD Africa, acreditamos que um sistema financeiro forte, justo e acessível é crucial para um futuro sustentável para o povo africano e o seu ambiente. Em particular, acreditamos que o financiamento pode desempenhar um papel importante no combate à vulnerabilidade climática e que, aproveitando o poder da inovação fintech, podemos ajudar a resolver as barreiras do mercado à construção de soluções de resiliência climática tão necessárias”

MAIS: Katapult procura as melhores startups agroalimentar e climáticas de África. Saiba como inscrever-se ao programa

O desafio para África é que esta inovação seja sufocada por um ecossistema fraco, refletido em baixo investimento em fase inicial. A nossa parceria com a BFA Global na TECA visa resolver esta questão com a origem, investindo e crescendo um oleoduto de empreendimentos de resiliência climática, ao mesmo tempo que ajuda a influenciar e expandir o conjunto de investimentos para este espaço.”, disse Juliet Munro, Director de Economia Digital da FSD Africa

Segundo o que foi revelado pelo  IPCC Sixth Assessment Report, no início deste ano, cerca de 3,6 mil milhões de pessoas vivem em contextos altamente vulneráveis às alterações climáticas, com alguns dos maiores impactos observados em áreas e comunidades em toda a África.

Por isso, as soluções requerem um desenvolvimento adicional significativo, visto que em grande parte ainda não são acessíveis ou disponíveis para as populações mais em risco.

A missão do TECA é lançar mais de 100 empreendimentos até 2026, incluindo pelo menos 60 em África, e onde estes empreendimentos ajudarão a construir a resiliência climática das comunidades vulneráveis e a criar oportunidades de investimento para outros intervenientes no ecossistema.

A primeira edição de empresários do TECA centrar-se-á na Economia Azul na África Oriental, nomeadamente atividades que geram meios de subsistência e serviços de ecossistemas de massas de água como oceanos, lagos e rios. As candidaturas para potenciais “foundersjá estão abertas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui