BNA disponibiliza USD 180 milhões para aluguer do segmento espacial das operadoras de telefonia

0
6971

José Carvalho da Rocha, ministro das Telecomunicações e Tecnologias de Informação, disse que o Banco Nacional de Angola (BNA) disponibiliza anualmente cerca de 180 milhões de dólares para o aluguer do segmento espacial das operadoras de telefonia que actuam no país.

O governante que falava à margem do seminário sobre “Os Desafios da Engenharia Angolana” promovido pela Ordem dos Engenheiros de Angola. Durante o certame, em que o fracasso do Angosat e a construção do segundo foram algumas das questões apresentadas pelos participantes, José Carvalho da Rocha procurou esclarecer as vantagens que o mesmo traria ao país.

O ministro expilcou que a Unitel, Movicel, Angola Telecom, MS Telcom, os Serviços de Defesa e Segurança e outros pressionam o BNA para disponibilizar divisas. Por ano gastamos 180 milhões de dólares, o que quer dizer que, em dois anos, 360 milhões de dólares, um valor superior ao custo global do satélite (320 milhões), com a duração de 15 anos.

José Carvalho da Rocha explicou que a necessidade da construção de um satélite tem vários objectivos e um deles é a diminuição dos gastos com divisas. A título de exemplo, revelou que mensalmente o aluguer de segmento espacial para as operadoras de telefonia nacional funcionarem custa entre 15 a 20 milhões de dólares mensal.

Um satélite angolano possibilitaria, entre outras vantagens, a melhoria dos serviços, a poupança de divisas e a obtenção de lucros. Para o ministro, não restam dúvidas de que Angola fez um bom negócio, em que foram acautelados todos os riscos e erros, tendo acrescentado que o Angosat 2 começou a ser construído no dia 24 de Abril, sem nenhum custo adicional para Angola, fruto do contrato celebrado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui