Brasil lidera ranking de dados vazados em 2023

Entre as empresas, o Google aparece com o maior número de registros expostos, 2,5 bilhões, seguido do YouTube, com 692 milhões, e Microsoft, com 500 milhões.

659

O Brasil liderou o ranking dos países com maior volume de dados vazados em 2023. Entre as informações mais comprometidas pelos cibercriminosos no ano passado estão nomes completos, e-mails, endereços e senhas, normalmente obtidas a partir de vírus que roubam cookies e dados salvos do navegador.

Os números são da fornecedora NordVPN, que colocam o país à frente de outros alvos tradicionais do cenário global. Em primeiro lugar, o Brasil superou a Índia, Indonésia e os Estados Unidos em volume de informações comprometidas. São estes os maiores num volume de mais de 54 milhões de cookies vazados em 2023 – 30% ainda estavam ativos, segundo os especialistas.

Entre as empresas, o Google aparece com o maior número de registos expostos, 2,5 bilhões, seguido do YouTube, com 692 milhões, e Microsoft, com 500 milhões. Não é coincidência que estes, também, são os principais alvos de cibercriminosos que visam não só as informações pessoais, mas também contas de e-mail e canais que podem ser usados em novos golpes, ampliando o número de vítimas.

Do outro lado desta conta estão os chamados stealers, softwares maliciosos que se instalam em computadores e celulares para roubar dados. Eles ficam à espreita para obterem cookies que possam entregar dados de acesso, bem como outras informações que possam levar a roubo de identidade.

Segundo a NordVPN, o RedLine foi responsável por 57% dos crimes virtuais registados em 2023. Conhecido da comunidade de segurança, pelo menos, desde 2021, o malware é embutido em documentos corporativos falsos, downloads manipulados ou softwares piratas, muitas vezes publicados ou enviados a partir das próprias contas das vítimas comprometidas pelas pragas.

Por isso, os especialistas reforçam as dicas de sempre sobre atenção ao realizar downloads. O ideal é sempre preferir sites de desenvolvedores de software e lojas oficiais de aplicativos, evitando principalmente os links patrocinados que aparecem no topo das ferramentas de buscas. No caso dos anexos, o melhor é garantir que o remetente seja legítimo, assim como o arquivo em si, antes de baixar algo recebido por e-mail ou app de mensagens.

Além disso, apagar os cookies do navegador pode ser uma boa medida de segurança. Vale a pena, ainda, usar senhas seguras e sistemas de autenticação em duas etapas, que podem evitar a invasão de uma conta mesmo com as credenciais corretas, além de usar gerenciadores de credenciais em vez de as deixar salvas no browser.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui