Ex-hacker da CIA condenado a 80 anos de prisão por divulgar segredos

0
1140

Um júri do tribunal de Manhattan considerou Joshua Schulte culpado de todas as nove acusações que pendiam sobre ele, num cúmulo de 80 anos de prisão. O antigo especialista em segurança informática da Agência Central de Inteligência dos EUA (CIA) é acusado de ter revelado à WikiLeaks documentos e código fonte de ferramentas de espionagem usadas pela agência.

O procurador do Departamento de Justiça Damian Williams apelidou a conduta de Schulte como “um dos atos de espionagem mais nocivos da história dos EUA”, com a fuga de informação que incluía “algumas das ferramentas de espionagem mais críticas” a serem reveladas ao público e às nações adversárias.

O caso data de 2017, quando a WikiLeaks começou a divulgar milhares de documentos e código-fonte de ferramentas da CIA. A informação foi então publicada num conjunto de dados que viria a ser conhecido como ‘Vault7’. A fuga de informação continha especificações de vulnerabilidades de dia zero exploradas pela CIA para espiar os seus alvos. Inicialmente, a WikiLeaks comprometeu-se a não divulgar estas falhas antes de falar com os criadores do software.

As vulnerabilidades diziam respeito aos sistemas operativos iOS, Android, Windows e até ao das smart TV da Samsung. No entanto, a organização terá demorado a contactar os fabricantes e acabou por avançar com a divulgação na mesma.

MAIS: Hacker rouba meio milhão de euros em reservas falsas de Hotel em Lisboa

Sean Roche, diretor da CIA para a Inovação Digital, comparou a fuga de informação a um “Pearl Harbour digital”, explicando que a agência teve mesmo de encerrar a maioria das operações em curso enquanto avaliava o impacto das revelações.

A publicação Vice cita Sean Roche, que considera que o ex-hacker “colocou em perigo imediatamente as relações que tínhamos com outras partes do governo e com parceiros vitais em governos estrangeiros, que enfrentaram riscos muitas vezes para nos apoiar. E colocou os nossos oficiais e instalações, domésticos e no estrangeiro, em perigo”.

As motivações de Schulte parecem ser de ódio em relação à CIA e aos seus agora ex-colegas. O hacker tem ainda um caso em tribunal a decorrer, onde é acusado de posse de material de exploração infantil, que os investigadores alegam ter encontrado no seu portátil aquando das buscas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui