Guiné Equatorial enfrenta paralisação de internet por falta de pagamento

1318

A Guiné Equatorial corre o risco de ser desconectada se o seu governo não liquidar o pagamento pelo uso da conectividade internacional de fibra óptica submarina.

Este mês, o vice-presidente do país, Teodoro Nguema Obiang Mangue, alertou que atrasos na transferência de pagamento ao Gestor de Infraestruturas de Telecomunicações da Guiné Equatorial (GITGE) – a telco contratada para operar e manter a infraestrutura de telecomunicações do país – podem deixar o país sem internet em dois semanas.

Mangue não especificou o valor total pendente. O vice-presidente também twittou que o pagamento através do Banco dos Estados da África Central (BEAC), do qual a Guiné Equatorial é afiliado, ainda não foi autorizado pelo Banco da França.

MAIS: Os países africanos com os dados móveis mais caros

A gestão das reservas internacionais do BEAC é regida por acordos de cooperação monetária com a França, representada pelo Banco da França.

De acordo com Mangue, o banco central da França impõe políticas monetárias ao BEAC que retardam o desenvolvimento dentro da Comunidade Económica e Monetária da África Central (CEMAC), que inclui Camarões, Chade, República Centro-Africana, Congo, Gabão e Guiné Equatorial.

O BEAC e o Banco da França não responderam prontamente a um pedido de comentário. A Guiné Equatorial está conectada a apenas um sistema internacional de cabos submarinos – o Africa Coast to Europe (ACE), que vai da costa da África do Sul, com vários IXPs a caminho da França.

De acordo com o Datareportal, existem 374.000 usuários de internet na Guiné Equatorial e em janeiro de 2021, o país registrou uma taxa de penetração de internet de 26,2%.

Mangue disse que o primeiro-ministro foi ordenado a estabelecer uma comissão para “fornecer soluções imediatas para este problema”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui