Indra vai modernizar navegação aérea em Cabo Verde

0
384

A multinacional de Consultoria e Tecnologia Indra foi escolhida para modernizar o centro de tráfego aéreo oceânico na ilha cabo-verdiana do Sal, bem como em torres de controlo em mais três ilhas para aumentar o nível de segurança das operações, informa o jornal Visão.

Este objectivo torna o projecto um dos mais importantes para o futuro da navegação aérea em toda a África Ocidental, dado o papel de Cabo Verde como porta de entrada para a região“, disse a empresa em nota oficial, que é também líder global em engenharia tecnológica para os sectores aeroespacial, defesa e mobilidade.

Embora que o comunicado não tenha revelado os contornos económicos do contrato, a Indra passa assim a gerenciar os aeroportos internacionais e aeródromos de Cabo Verde e assegurar a navegação aérea, juntamente com a empresa pública ASA, bem como a modernização do centro de controlo de tráfego aéreo oceânico da FIR do Sal, que vai permitir instalar “tecnologia de ponta” nas torres de controlo em Santiago, Boa Vista, São Vicente e Sal, e “levar a segurança e a eficiência das operações aéreas ao seu mais alto nível“.

Além de melhorar a segurança e a eficiência, o provedor de serviços de navegação aérea do país, ASA, ganhará flexibilidade com essas soluções para se adaptar aos aumentos esperados no tráfego aéreo e fortalecer a interoperabilidade com outros centros de controlo nos países vizinhos“, revela a Indra.

MAIS: Cabo Verde vai alargar seu programa de videovigilância

Segundo ainda a Indra, a tecnologia  que vai instalar inclui “uma das soluções de automação mais avançadas do mercado e um sistema de controlo de comunicações de voz sobre IP de última geração, além de um simulador para reforçar o treino dos controladores“.

Com esta parceria de modernização, o ASA pretende “reforçar a sua interoperabilidade com outros centros de controlo”, melhorando “a segurança e a eficiência” com que gere o tráfego, “dando flexibilidade para se adaptar dinamicamente a diferentes situações operacionais e contribuindo para a conformidade regulatória actual e futura“.

Essa tecnologia também aumenta a capacidade de lidar com mais tráfego e receber mais visitantes, permitindo que a indústria do turismo continue a crescer“, acrescenta o comunicado, onde a Indra refere ter projectos idênticos em curso, ao nível da navegação aérea, em Marrocos, Argélia, Tunísia, Gana, Quénia, Uganda e Ruanda.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here