Kaspersky aponta as 3 principais ameaças à segurança de TI em África

0
1312

De acordo com a pesquisa da Kaspersky, África Subsaariana registou uma redução ligeira em certos casos de malware. No entanto, a ameaça cibernética humana permanece repleta e a África não está imune às técnicas em evolução de Ameaças Persistentes Avançadas (APTs), bem como às possibilidades de ser um futuro alvo de grupos de actores de ameaças de hacking.

A pesquisa da Kaspersky descobriu que, mundialmente, os grupos APT estão a evoluir as suas técnicas e estão a actualizar o seu conjunto de ferramentas para continuar a desviar as informações confidenciais. Além disso, houve um aumento de hackers por aluguel ou mercenários cibernéticos durante os dois primeiros trimestres de 2020. Na verdade, três grupos de mercenários cibernéticos foram expostos em todo o mundo apenas este ano.

Hackers de aluguel ou mercenários cibernéticos não têm necessariamente motivações monetárias como o crime cibernético tradicional. Em vez disso, eles roubam dados privados para monetizá-los de uma maneira diferente – geralmente com o propósito de fornecer conselhos ou insights, com base nos dados, para partilhar o valor de uma vantagem competitiva.

Como essa actividade ocorreu fora da África, suspeita-se que esses tipos de actores podem ter sido um pouco esquecidos e não necessariamente fazem parte das estratégias de defesa cibernética. No entanto, a região pode se tornar um foco desses grupos nos próximos meses e, portanto, empresas e entidades precisam ter uma compreensão dessas ameaças emergentes, juntamente com a ameaça dos APTs, para estarem preparadas e tomarem medidas proativas para a segurança cibernética eficaz.

Na África do Sul, Quénia e Nigéria, grupos APT estão a explorar a incerteza actual em torno da COVID-19 para roubar informações confidenciais. Surgiram técnicas mais sofisticadas que fornecem malware de maneiras não convencionais.

As principais indústrias sob ataque na África Subsaariana na pesquisa da Kaspersky incluem governo, educação, saúde e militares. Enquanto governo e militar apresentam metas convincentes – e óbvias –, educação e saúde são frequentemente usadas como pontos de pivô para ter acesso a outras instituições. Às vezes, uma entidade é uma vítima, enquanto outras vezes é o alvo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here