[Jogos] Revisão: Game of Thrones

2523


Na maioria dos jogos se perderes é uma questão de carregar o jogo no último “save point” e voltar a tentar até venceres … mas e se não existirem personagens verdadeiramente boas ou más no jogo ? E se todas as personagens forem moralmente cinzentas com  sombras de motivações , interesses e ilusão ? Será que se pode verdadeiramente ganhar ? É essa a abordagem de Game Of Thrones que nos trás uma historia fantástica cheia intrigas e mistérios e acima de tudo extremamente imprevisível .  Infelizmente outras áreas do jogo deixam a desejar principalmente no que toca a jogabilidade . A isto deve-se a fraca popularidade do jogo , visto erradamente pela maioria como um jogo para os fãs da serie de televisão . Embora o jogo tenha um interesse acrescido para os fãs na serie baseada nos livros de  George R. R. Martin , este jogo tem argumentos suficientes para agradar a todos , sendo que este jogo não parte do principio que o jogador vio a serie ou leu os livros e o introduz ao mundo lenta e gradualmente como qualquer outro bom RPG .

Jogabilidade :

Sem dúvidas, o calcanhar de Aquiles do jogo . O sistema de combate embora que teoricamente apelativo ( a fazer lembrar jogos como Dragon Age ) não em qualquer momento bem explicado ao jogador , alias é difícil escolher a classe recebendo tão pouca informação sobre o sistema de combate e o como as habilidades funcionam , e isto sem contar com as habilidades especiais das personagens principais que alteram a estratégia do jogador embora este só tenha conhecimento delas depois de pelo menos meia hora de jogo  , bem depois de este já ter escolhido a classe e atribuído os atributos e habilidades . Mesmo quando o jogador percebe como é que o sistema de combate funciona este demonstra ser repetitivo ao extremo , tendo poucas variações nos combates o jogador passa horas a fazer algo no estilo de : usar a habilidade para por a sangrar , utilizar a habilidade que causa dano extra a quem estiver a sangrar , repetir estas duas skills ate o alvo não ter mais sangue no corpo … Embora seja claro que existe a intenção de variar o combate ( por exemplo o tipo de armadura do teu adversário torna o teu tipo de arma mais ou menos eficaz ) , a verdade é que o combate oferece pouca variedade .
A jogabilidade é salva por um sistema de conversa pouco criativo mas bastante funcional .

Gráficos :

Graficamente Game of  Thrones RPG agrada . Estando longe do brilhantismo de The Witcher 2 , esta consideravelmente melhor que outros RPGs como Dragon Age 2 . O jogo também beneficia de um visual mais realista e menos “cartoon” e colorido , o que ajuda muito o jogador  a entrar no jogo e na acção . No entanto a falta de variedade nos adversários pode se tornar aborrecida , o jogador raramente luta contra algo que não seja humano e os humanos são regra geral copias uns dos outros mudando apenas as cores da armadura consoante quem os teus adversários servem .  Embora não exista uma verdadeira liberdade de exploração , os mapas raramente tem se a impressão de já se ter passado pelo menos local , embora por vezes sejamos levados a fazer quests diferentes nos mesmos locais .

Som :

O som do jogo é outro factor que agrada mesmo não sendo brilhante . O som do ambiente é realista embora que repetitivo . A musica aparece nos momentos certos e ajuda a digerir o mau sistema de combate … isto é até o jogador acabar por ficar farto de a ouvir uma e outra vez ( como acontece em muitos rpgs ) . A voz dos actores varia do muito bom ao horrível , felizmente a voz das personagens principais estão boas .

História :

Está aqui a razão principal para se jogar este jogo . Embora no inicio do jogo a historia não pareça ser nada de especial , a medida que avançamos nesta o jogo mais parece um excelente filme interactivo do que de facto um jogo . No inicio começamos por controlar duas personagens ( alternadamente )  aparentemente sem qualquer tipo de conexão  . Enquanto controlamos Mors Westford , um veterano da black watch tentando proteger uma rapariga , controlamos também  Ser Alester Sarwyck que 4 messes antes dos acontecimentos de  Mors Westford  tenta recuperar as suas terras após a morte do seu pai , o rei dessas terras . A historia tem muitas voltas e reviravoltas , levando-nos muitas vezes a nos aliarmos a quem nós sabemos ser nossos inimigos e outras vezes os nossos  aliados mostram ser na realidade os verdadeiros inimigos . Apesar de o numero elevado de personagens e inimigos nunca se perde o rumo a historia apesar de esta ser verdadeiramente imprevisível , por exemplo num dos finais do jogo possíveis quer Mors Westford quer  Ser Alester Sarwyck morrem  . Alias é esse um dos atractivos da historia , quando nem as personagem principais estão acima de morrer nunca se sabe bem o nos aguarda no capitulo seguinte .Sem a menor duvida uma das melhores historias criadas para jogos até hoje , no mínimo igualando relíquias como Final Fantasy 7 e Star Wars : Knights of the Old Republic .

Longevidade :

Outro ponto forte do jogo. A primeira vez que joguei, demorei por volta de 50 horas para o terminar , e repeti sensivelmente o mesmo número de horas para o terminar a segunda vez  , sem por momento algum sentir-me desencorajado pelo facto de já conhecer os pontos principais da história , tendo tantos detalhes que poderia mudar e factos para relembrar . Este é um jogo que se pode terminar até 3 vezes sem nos sentirmos aborrecidos , isto é se conseguirmos digerir o sistema de combate ( que mais vale por na dificuldade mais fácil para saboriarmos apenas a história ) .

Games of Thrones  ( não confundir com o RTS ) é um jogo que prima acima de tudo por uma historia extraordinária  e um grafismo agradável , que poderia ser considerado um jogo lendario caso se não tivesse um sistema de combate tão mau e um som não memoravel .

A equipa do MenosFios aconselha vivamente a todo os fãs da série e todos os outros jogadores que adorem uma boa história e tenham uma boa tolerância a maus sistemas de combate .

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui