Robot criado por angolano permite detectar o uso da máscara e mede a temperatura

0
1316
Imagem ilustrativa de um robot a detectar o uso da máscara

Coma  chegada da COVID-19, o mundo vive actualmente numa fase de adaptação a nível mundial, onde a tecnologia tem sido bastante usada como uma das medidas de mitigar o maior número de contaminação de pessoas, e Angola já começa a fazer parte deste processo.

Um robot capaz de medir a temperatura humana, disponibilizar álcool em gel e detectar se alguém está a usar ou não a máscara facial foi criado pelo inventor angolano Lupossa Paulo André. A máquina foi criada com objectivo de combater a proliferação da Covid-19 no país, substituindo desta forma a presença humana a entrada de uma instituição para medir a temperatura, disponibilizar álcool em gel e verificar se o utente faz o uso ou não da máscara.

Segundo Lupossa Paulo André, o robot compõe-se por um corpo de plástico, dois braços, uma cabeça com sensor para detectar a presença humana, câmara e quatro rodas em cada perna que lhe permitem se movimentar. Podendo ser conectado a um computador, smartphone, tablet ou base de dados para envio de informações, o “robot angolano” foi produzido com base em algumas características humanas, sendo capaz de fazer perguntas como “Você esteve fora do país nos últimos três meses ou entrou em contacto com alguém que pegou o coronavírus?”.

Com custo de criação avaliado em 500 mil Kwanzas, o robot começou a ser criada em 2020, estando agora apto para ser apresentado no país, sendo pretensão captar patrocínio para o seu desenvolvimento e aperfeiçoamento. O cérebro da máquina pode ser ainda utilizado nas câmaras colocadas na via pública controladas pelo CISP (Centro Eletrónico de Segurança Pública), para detectar o cidadão que faz ou não o uso da máscara fácial em plena via pública. A máquina pode funcionar com recurso a energia eléctrica, bateria ou qualquer outra fonte de energia alternativa.

Informações sobre o inventor

Lupossa Paulo André de 27 anos de idade, Licenciado em Electrónica Industrial pela faculdade de Cape Península University of Techonology da África do Sul, estudou até o segundo ano no curso de Electrotecnia na Universidade Agostinho Neto e fez o ensino médio de Electrónica Industrial e Automação, no Instituto Médio Industrial de Luanda.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here