África do Sul, Quénia e Nigéria sofrem 28 milhões de ataques de malware

0
1563

Mais de 28 milhões de ataques de malware foram registrados na África do Sul, Quénia e Nigéria durante o ano em curso, de acordo com uma pesquisa da Kaspersky, bem como 102 milhões de detecções de software de programas potencialmente indesejados.

Enquanto calculavam os resultados provisórios da actividade de paisagem de ameaças em países africanos, os pesquisadores notaram que os programas potencialmente indesejados atacam usuários quase quatro vezes mais frequentemente do que os malwares tradicionais. Eles também eventualmente alcançam mais usuários: por exemplo, enquanto na África do Sul, o malware atacara 415.000 usuários em 7 meses durante o ano de 2020, o número para os programas potencialmente indesejados é de 736.000.Os programas potencialmente indesejados são programas que geralmente não são considerados maliciosos por si só. No entanto, eles geralmente estão a influenciar a experiência do usuário de forma negativa. Por exemplo, o adware preenche o dispositivo do usuário com anúncios; software agressivo de monetização propaga ofertas pagas não requestadas; downloaders podem baixar ainda mais vários aplicativos no dispositivo, às vezes maliciosos.

De acordo com Denis Parinov, pesquisador de segurança da Kaspersky, a razão pela qual os softwares potencialmente indesejados estão a crescer é que é mais difícil notar no início e que, se o programa for detectado, os seus criadores não serão considerados cibercriminosos. O problema com eles é que os usuários nem sempre estão cientes de que consentiram com a instalação de tais programas nos seus dispositivos e que, em alguns casos, tais programas são explorados ou usados como disfarce para downloads de malware.

“É por isso que muitas soluções de segurança, incluindo a nossa, sinalizam tais programas para garantir que os usuários estejam cientes da sua presença, influência no seu dispositivo e actividade”, diz Denis Parinov, pesquisador de segurança da Kaspersky.

Ao avaliar os resultados durante o mesmo período de 7 meses na Nigéria, houve 3,8 milhões de ataques de malware. Os usuários quenianos enfrentaram ainda mais ataques de malware – cerca de 14 milhões e na África do Sul, houve quase 10 milhões de ataques de malware.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here