O estado de investimento na tecnologia em África

0
1260

De acordo com os especialistas em consultoria de risco Control Risks e consultoria global independente NKC African Economicsna sua quinta edição do “Africa Risk-Reward Index“, avançam que o investimento na tecnologia em África atingiu níveis recordes nos últimos anos.

Em 2019, o financiamento das ações no sector tecnológico em África atingiu um recorde de US$ 2,02 bilhões, divididos em 250 negócios envolvendo 234 startups de tecnologia digital, diz o relatório. Foi um crescimento de 74% em relação a 2018, um aumento de 108% em relação a 2017.

Os especialistas destacam um estudo de outubro de 2019 da Briter Bridges e da AfriLabs, que descobriu que havia 643 centros tecnológicos em todo o continente africano, onde Egipto, Quénia, Nigéria e África do Sul eram pontos de acesso particulares. “A tecnologia digital tem sido o sector que mais cresce em África, impulsionado por investimentos em infraestrutura, desde cabos submarinos até soluções locais de hospedagem”.

As startups de tecnologia mais bem sucedidas são aquelas que reconheceram que a indústria em África não é impulsionada pelo credo do Vale do Silício de “disrupção”, mas por simples necessidade, dizem os especialistas. Segundo o relatório, as startups não tentaram ter sucesso apesar dos desafios no ambiente de negócios, mas ao abordar directamente esses desafios.

“O desenvolvimento mundial do dinheiro móvel da tecnologia africana, por exemplo, foi bem sucedido porque abordou um problema existente (falta de inclusão financeira) e o fez de uma maneira que estava ciente de restrições (não requer um smartphone).”

Os autores do relatório observaram que grande parte do financiamento para a tecnologia africana até agora tem sido de fontes estrangeiras em empresas lideradas por estrangeiros em busca de novas ideias, mas os investidores podem ser mais bem atendidos em busca de soluções desenvolvidas por aqueles com conhecimento local dos problemas.

É provável que o sector perca alguns desses ganhos em 2020, uma consequência tanto das recentes lutas sectoriais de alto perfil quanto do impacto da COVID-19 nas finanças externas. “No entanto, qualquer declínio desse tipo deve ser visto como uma oportunidade para redefinir expectativas e abordagens, não como uma indicação de que os sectores afectados estão a se tornar menos atraentes.

Os especialistas afirmam que a pandemia tem servido para enfatizar a necessidade de soluções tecnológicas e digitais em todo o continente. Isso desencadeou o desenvolvimento de aplicativos de saúde para ajudar a combater a pandemia, novos sistemas de pagamento e e-commerce para facilitar a vida dos que estão em quarentena.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here