Índice de qualidade de vida digital de 2021- Angola é 16º em África

0
713

A empresa de segurança cibernética Surfshark já apresentou edição de 2021 do Índice de Qualidade de Vida Digital (DQL). Este ano, o estudo indexa 110 países de diferentes partes do mundo e cobre 90% da população global. O estudo classifica os países em termos de bem-estar digital com base em cinco pilares: qualidade da internet, acessibilidade da internet, infraestrutura electrónica, governo electrónico e segurança electrónica.

Com a Dinamarca a ocupar a primeira posição do índice pelo segundo ano consecutivo, o novo top 10 mudou em relação a 2020 com a entrada da Coreia do Sul para o segundo lugar, acima da Finlândia e de Israel. Os Estados Unidos saltaram da 22ª posição (2020) para a quinta graças às melhorias na qualidade da Internet e infraestrutura eletrónica do país. Portugal encontra-se no 30º lugar do ranking geral, o que faz com que seja o 21º país com melhor qualidade de vida da Europa.

Entre os países da África, a África do Sul desfruta da mais alta qualidade de vida digital. A Nigéria teve o maior salto no tempo para trabalhar e pagar pela internet móvel mais barata, a Tunísia teve a maior queda no governo electrónico.

Angola que entrou pela primeira vez no estudo da DQL ocupa a décima sexta posição em África e posição 106 um dos últimos no mundo em termos de qualidade de vida digital.qualidade de vida digital

Alguns pontos Índice de qualidade de vida digital de 2021

  • A Itália teve o maior salto em infraestrutura electrónica, a China teve o maior salto na velocidade da banda larga, o Brasil tem internet banda larga mais estável.
  • A Suíça tem Internet móvel mais estável, o Azerbaijão teve a maior queda no tempo para trabalhar e pagar pela Internet móvel mais barata, as Filipinas tiveram o maior salto na qualidade da internet.
  • A Dinamarca tem melhor qualidade de vida digital, a Grécia é a melhor em segurança cibernética, o Quénia teve a maior queda na velocidade da banda larga, a Ucrânia teve o maior salto no número de usuários da Internet.

MAIS: Angola vai promover mais acesso de informação aos meios digitais

Globalmente, a Internet de banda larga mais barata custa 6 horas de trabalho por mês. Para efeito de comparação, os dinamarqueses e os suecos precisam trabalhar três vezes mais para pagar pela internet de banda larga, enquanto os noruegueses trabalham quatro vezes mais. O país também apresenta melhores pontuações de segurança eletrônica e governo eletrônico do que a Dinamarca, que ficou em primeiro lugar globalmente este ano.

“As oportunidades digitais provaram ser mais importantes do que nunca durante a crise do COVID-19, enfatizando a importância de cada país garantir capacidades operacionais totalmente remotas para as suas economias”, explica Vytautas Kaziukonis, CEO da Surfshark. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here