Moçambique. Conheça os vencedores do Desafio Startupper do Ano

0
1193
Imagem meramente ilustrativa

A TotalEnergies Marketing Moçambique premiou recentemente os vencedores do concurso Desafio Startupper do Ano, concurso que visa desenvolver o potencial inovador em prol da saúde pública, segurança, educação, acessibilidade e outras questões que afectam as comunidades locais.

O “Melhor Projecto de Criação de Negócio” foi para Márcia Dimas, com a iniciativa Adubo Orgânico, onde em seu discurso de premiação destacou que os jovens moçambicanos tem tido escassez de emprego no país, mesmo com várias oportunidades de negócios.

“Existe tanto por fazer e tanta coisa por melhorar, é uma questão de pegar nos recursos que temos e avançarmos firmes e fortes, tomar iniciativas e ter coragem para enfrentar desafios e acima de tudo apoio de uns aos outros”, disse a founder.

Na categoria “Melhor Empreendedora”, várias candidatas femininas foram avaliadas na sua habilidade de desenvolver acções para promover o empreendedorismo feminino, bem como melhorar o quotidiano de mulheres na sua comunidade.

Sobres edição moçambicana, o júri foi composto por especialistas do mundo das startups e gestores de empresas que avaliaram a relevância dos projectos com base na sua resposta aos desafios de desenvolvimento sustentável, seu carácter inovador e a sua viabilidade e potencial de desenvolvimento.

MAIS: BAD vai disponibilizar 9 milhões de euros para as startups africanas

Segundo Fanny Canetf, Directora-Geral da Total Energies Marketing, o concurso recebeu vários projectos inovadores em todas as suas categorias, onde todos eles foram centrados em inovação.

“O empreendedorismo está no nosso DNA e queremos encontrar jovens e demonstrar que a partir de uma ideia é possível atingir um resultado na comunidade. Empresas como a TotalEnergies têm uma posição de dar a possibilidade de desenvolver jovens empreendedores e por isso lançamos este desafio”, salientou a gestora.

Por outro lado, Luísa Diogo, madrinha do Desafio Startupper do Ano, sublinhou a componente do coaching do projecto como um factor determinante para iniciativa.

“Assumi este papel no projecto pois acredito nos jovens empreendedores. E neste desafio, não devemos focar nos vencedores, mas sim observar todos os jovens que participaram, estes jovens já observam o mundo de enegócios de outra maneira. Esperamos que o nosso país consiga estar nos vencedores da nossa região”, disse.

De informar que com o anúncio dos vencedores de Moçambique e de Angola, o projecto passa para a fase continental, que prevê a participação de 32 países, de modo a encontrar o vencedor da terceira edição da iniciativa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui