OneWeb e Paratus assinam acordo para a instalação de teleporto de satélites em Angola

2803

A Paratus Angola vai construir um teleporto de satélites no país para a empresa OneWeb, que irá fornecer serviços via satélite de baixa órbita terrestre (LEO) para Angola e aos países vizinhos da SADC.

Segundo uma nota oficial enviada a redação da MenosFios, o teleporto de satélites vai estar operacional na segunda metade de 2023, onde a infraestrutura fornecerá serviços de satélite de baixa órbita terrestre (LEO) a vários países da região e trará soluções seguras não só às empresas, mas também às cidades, aldeias, municípios e escolas, incluindo as regiões mais remotas de vários países africanos.

Essa infraestrutura é a primeira de várias estações terrestre de satélites da Web planeadas em África com o selo da OneWeb, empresa fornecedora global de serviços de telecomunicações.

A construção do teleporto está ainda aliada ao recente lançamento da ligação de fibra óptica da Paratus entre Angola e a República Democrática do Congo (RDC), a inauguração dos Data Centers do Grupo, na Zâmbia e na Namíbia, e a presença da cobertura de rede em todas as províncias angolanas, mostrando assim que a Paratus possui as infraestruturas necessárias para atuar como um HUB de dados altamente sofisticados em Angola, permitindo, inclusive, a expansão da sua rede para além das suas fronteiras.

Com este acordo, estamos a dar mais um passo gigantesco na realização do nosso plano estratégico de transformar Angola em um HUB de dados para a região”, disse Rolf Mendelsohn, CTO do Grupo Paratus, citado na nota e onde acrescenta que “ser selecionado pela OneWeb como parceiro preferencial para a instalação do teleporto em Angola reafirma a nossa elevada capacidade no desenvolvimento de infraestruturas de telecomunicações de nível mundial em África”.

MAIS: Governo deve criar incentivos para que empresas das telecomunicações possam investir no país

Por outro lado, Joe Paciaroni, Diretor de Infraestruturas Terrestres na OneWeb, considera que “a dimensão e a persistência da infoexclusão e as barreiras encontradas pelas empresas em obter serviços de conectividade em áreas rurais ou remotas, tornam-se óbvias as necessidades por serviços de satélites de baixa órbita (LEO). Numa escala global, a penetração da Internet móvel é ainda de apenas 50% e muitos dos locais que permanecem offline estão em África. Ao instalar os teleportos da OneWeb ligados a centenas de LEOs, podemos colmatar essa disparidade de forma eficaz e económica“.

  “Optamos pela parceria com a Paratus Angola porque o grupo está enraizado em África, compreende totalmente e investe na satisfação das exigências do mercado, para além de estar comprometido em transformar a conectividade africana através de infraestruturas digitais excecionais“, reiterou o Diretor.

O teleporto consistirá em 16 antenas e um polo técnico com instalações de rede, conectado à infraestrutura de satélites de baixa órbita (LEO) da OneWeb e ligando, assim, a África ao mundo e o mundo à África.

Fundada em 2003, a Paratus (ex-ITA) nos últimos tempos é uma empresa a disponibilizar uma rede de qualidade em África, com olho no futuro, onde o investimento do grupo em infraestruturas sublinha o seu compromisso a longo prazo de transformar o continente através de infraestruturas digitais e serviços de apoio ao clientes excepcionais.

A Paratus esta atualmente presente em sete países africanos – Angola, África do Sul, Botsuana, Moçambique, Namíbia, RDC e Zâmbia – fornecendo um serviço focado na conectividade via satélite, em 37 países africanos, a vários clientes espalhados por toda a África, ligando empresas africanas em todo o continente e oferecendo serviços de excelência de ponta-a-ponta.

Já a OneWeb, é uma rede global de comunicações alimentada a partir do espaço a fim de permitir o acesso à Internet para governos, empresas e comunidades. Está a implementar uma constelação de satélites de baixa órbita terrestre com uma rede de estações terrestres global e uma gama de terminais a fim de fornecer um serviço de comunicações acessível, rápido, de alta largura de banda e de baixa latência, ligado ao futuro da IOT e como um caminho para 5G disponível para todos, em todo o lado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui