Sistema de pagamentos PAPSS vai reforçar ligações comerciais no continente

0
401

O ministro da Indústria e Comércio, Victor Fernandes, considera que a criação de um sistema no continente africano para assegurar a execução de pagamentos, a partir de processos céleres e menos onerosos, vai reforça as ligações comerciais e criar cadeias de valores.

Para o Ministro, que falava no no seminário de alto nível sobre o Sistema Pan-Africano de Pagamentos e Liquidação (PAPSS), na última semana, além de reforçar as ligações comerciais e criar cadeias de valores, um sistema de pagamento continental intensifica também os mercados financeiros regionais, indicando ainda que o referido sistema tem potencial de proporcionar às economias africanas a garantia de conversibilidade das suas moedas e acelerar o desenvolvimento do mercado regional.

Por isso, Victor Fernandes assegura que deve-se adoptar sistemas funcionais uniformes em que os bancos e outras instituições financeiras joguem papéis centrais, sendo esses os principais provedores de serviços e instrumentos financeiros, sendo que o o “PAPSS”,  como qualquer outro sistema de pagamento, terá como principais utilizadores os operadores económicos,  a panóplia de procedimentos ligados aos instrumentos financeiros adoptados devem ser as mais simplificadas e transparentes possíveis.

Do lado da infra-estrutura do mercado, devemos, do nosso lado, igualmente garantir a uniformização de procedimentos regulamentares com a adopção de documentos comerciais destinados à facilitação do comércio e à mitigação de riscos associados transfronteiriças, o que irá permitir previsibilidade aos operadores económicos”, disse o dirigente.

MAIS: Sistema africano de pagamentos PAPSS pronto a funcionar

Ainda na sua abordagem, o ministro da Indústria e Comércio frisa que a qualidade dos sistemas jogam um papel fundamental para que os processos sejam céleres, eficazes e em escala, mas salienta ser importante ter um enorme desafio da digitalização das “nossas economias a partir do qual as redes de comunicação permitirão um aceleramento na integração de micro, pequenas e médias empresas no universo continental e comercial”.

Victor Fernandes terminou dizendo que esse sistema “só funcionaria se, do ponto de vista das transacções, o tempo e a velocidade de concretas transacções ocorressem ou pudessem ser acelerados. Hoje, se eu quiser comprar um produto no Congo demora mais ou menos 14 dias para a transacção financeira se efectuar, porque nós temos que converter a nossa moeda em moeda de outros países, situação que vai mudar com o sistema”.

O governante espera ver um sistema financeiro africano robusto e consolidado ao ponto de apoiar firmemente os esforços de integração e industrialização regional, feito aos níveis das comunidades económicas regionais  ou ao nível da Zona de Comércio Livre do Continente.

Por seu turno, o administrador do Banco Nacional de Angola (BNA), Rui Minguês, entende que o referido sistema permitirá ganhos importantes de produtividade, redução de custos de transferências de transacções entre os países do continente africano.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui